• ANTOLOGIA NEURÓTICA
  • BANANEWS!
  • CANTINHO DO PSEUDISMO
  • CARTA ABERTA
  • CHARGES DO BENETT
  • COOL de "A" a "Z"
  • DIÁRIOS DO ARAN
  • FAZENDO MÉDIUM
  • HORÓSCOPO
  • LISTAS
  • MARCHA DA HISTÓRIA
  • MEME PERDIDO
  • MIMIMILLENNIAL
  • O FALCÃO DILMÊS
  • PENSAMENTOS ESTÚPIDOS
  • REPÚBLICA INDICA
  • ROME PAGE
  • SOLDA CÁUSTICO
  • TELMA LUÍZA
  • TERREIRO DO PAI SIGMUND
  • TIRAS DO JÃO
  • TURISTAS NA REPÚBLICA
  • VENDAVAL DE EMOÇÕES
  • TERREIRO DO PAI SIGMUND

    Denise Rossi

    CONSULENTE DA SEMANA: KID BENGALA DO PROJAC

    pai

    Pai Sigmund,

    Não sei o que fazer. De Pé de Mesa Global fui reduzido a calço de mesa. Eu, que antes pegava o papel que quisesse, agora tô pegando papel na ventania. E tudo porque falei o que devia ter só pensado, e pensei o que não devia. Agora meu destino é a geladeira, e naquela gaveta onde só vão o repolho e o brócolis.

    Estou na dúvida, pai Sigmund: casaco de esquimó pra aguentar o frio da geladeira ou macacão de amianto pra encarar a frigideira que vai vir logo depois? Porque robe de chambre de garanhão eu posso esquecer.

    Me ajuda, pai Sigmund.

     

    Zé Mayer, mizifio.

    Isso tudo aí tem um nome na psicanálise iorubá-vienense, mas é um nome em alemão, comprido e difícil de pronunciar, então deixa.

    Quando suncê era o pica das galáxias na Globo, não reparou que no centro da galáxia tinha um buraco negro. O problema é que astronomia é igual psicanálise, zifio: só tem sacanagem. Então, o que o buraco negro não chupa a matéria escura leva. Mas do que eu falava mesmo?

    Ah, certo. Zifio, suncê sabe que não se deve deixar o sucesso subir à cabeça. Acho que suncê misturou tudo e deixou a cabeça do sucesso subir, e na hora errada. Aí não tem cartinha ditada pelo advogado que dê jeito, zifio. Então o castigo vai vir a galope: seu papel numa novela da Record já tá reservado.

    E o que é pior, zifio – segurando o cajado de Moisés. Pra largar de ser besta.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: KID BENGALA DO PROJAC

    Pai Sigmund,

    Não sei o que fazer. De Pé de Mesa Global fui reduzido a calço de mesa. Eu, que antes pegava o papel que quisesse, agora tô pegando papel na ventania. E tudo porque falei o que devia ter só pensado, e pensei o que não devia. Agora meu destino é a geladeira, e naquela gaveta onde só vão o repolho e o brócolis.

    Estou na dúvida, pai Sigmund: casaco de esquimó pra aguentar o frio da geladeira ou macacão de amianto pra encarar a frigideira que vai vir logo depois? Porque robe de chambre de garanhão eu posso esquecer.

    Me ajuda, pai Sigmund.

     

    Zé Mayer, mizifio.

    Isso tudo aí tem um nome na psicanálise iorubá-vienense, mas é um nome em alemão, comprido e difícil de pronunciar, então deixa.

    Quando suncê era o pica das galáxias na Globo, não reparou que no centro da galáxia tinha um buraco negro. O problema é que astronomia é igual psicanálise, zifio: só tem sacanagem. Então, o que o buraco negro não chupa a matéria escura leva. Mas do que eu falava mesmo?

    Ah, certo. Zifio, suncê sabe que não se deve deixar o sucesso subir à cabeça. Acho que suncê misturou tudo e deixou a cabeça do sucesso subir, e na hora errada. Aí não tem cartinha ditada pelo advogado que dê jeito, zifio. Então o castigo vai vir a galope: seu papel numa novela da Record já tá reservado.

    E o que é pior, zifio – segurando o cajado de Moisés. Pra largar de ser besta.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: KID BENGALA DO PROJAC

    Pai Sigmund,

    Não sei o que fazer. De Pé de Mesa Global fui reduzido a calço de mesa. Eu, que antes pegava o papel que quisesse, agora tô pegando papel na ventania. E tudo porque falei o que devia ter só pensado, e pensei o que não devia. Agora meu destino é a geladeira, e naquela gaveta onde só vão o repolho e o brócolis.

    Estou na dúvida, pai Sigmund: casaco de esquimó pra aguentar o frio da geladeira ou macacão de amianto pra encarar a frigideira que vai vir logo depois? Porque robe de chambre de garanhão eu posso esquecer.

    Me ajuda, pai Sigmund.

     

    Zé Mayer, mizifio.

    Isso tudo aí tem um nome na psicanálise iorubá-vienense, mas é um nome em alemão, comprido e difícil de pronunciar, então deixa.

    Quando suncê era o pica das galáxias na Globo, não reparou que no centro da galáxia tinha um buraco negro. O problema é que astronomia é igual psicanálise, zifio: só tem sacanagem. Então, o que o buraco negro não chupa a matéria escura leva. Mas do que eu falava mesmo?

    Ah, certo. Zifio, suncê sabe que não se deve deixar o sucesso subir à cabeça. Acho que suncê misturou tudo e deixou a cabeça do sucesso subir, e na hora errada. Aí não tem cartinha ditada pelo advogado que dê jeito, zifio. Então o castigo vai vir a galope: seu papel numa novela da Record já tá reservado.

    E o que é pior, zifio – segurando o cajado de Moisés. Pra largar de ser besta.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: FANTASMA DO ALVORADA

    pai sigmund

    Pai Sigmund,

    Não sei o que acontece, mas quanto mais eu rezo mais aparecem presidentes aqui no Palácio da Alvorada. De todos os que já passaram eu só consegui assustar o Figueiredo (eu aparecia pra ele na forma de cheiro de povo, que ele detestava), que foi morar na Granja do Torto, e o Collor (eu surgia pra ele na forma do Sarney), que se mudou pra Casa da Dinda.

    Mas agora, pai Sigmund, que o Vampiro assumiu a presidência e eu apareci pra ele em forma de crucifixo, me lembrei da Marcela. Valei-me, pai Sigmund, que eu nunca vi uma primeira-dama mais gostosa (talvez só a Carla Bruni tenha me causado tanto furdunço na libido ectoplásmica, mas aí quem se deu bem mesmo foi o fantasma do Palais de l’Élysée).

    Esse é o problema, pai Sigmund – eu assustei o Christopher Lee dos pobres e a Marcela foi junto. Não tem jeito de desfazer o trabalho? Algum orixá vienense não pode me ajudar a trazer a Marcela de volta e deixar só o Temer lá no Jaburu?

    Me ajuda.

     

    D’Alvorada, mizifio,

    Entendo bem o que suncê passa. Aliás, zifio, quando eu formulei aquela famosa pergunta, “O que querem as mulheres?”, a resposta já tava dada: elas querem um fantasma camarada, porque homem vivente perfeito não existe mesmo.

    Mizifio, suncê tá com a faca e o queijo ectoplásmico na mão: muda pro Jaburu também. Esse Palácio da Alvorada tem uma caveira de burro enterrada aí, e como diz meu curimbeiro aqui do terreiro, o Ferenczi de Ogum, caveira de burro é osso duro de roer. Não tem trabalho que dê jeito.

    Mudando pro Jaburu suncê vai estar pertinho da Marcela e ainda pode aparecer pro Vampiro na forma de Ricardão. Aliás, zifio, se ele abrir o armário e te encontrar, nem vai estranhar: fantasma no armário é com ele mesmo.

    Boa sorte.

     

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: FANTASMA DO ALVORADA

    Pai Sigmund,

    Não sei o que acontece, mas quanto mais eu rezo mais aparecem presidentes aqui no Palácio da Alvorada. De todos os que já passaram eu só consegui assustar o Figueiredo (eu aparecia pra ele na forma de cheiro de povo, que ele detestava), que foi morar na Granja do Torto, e o Collor (eu surgia pra ele na forma do Sarney), que se mudou pra Casa da Dinda.

    Mas agora, pai Sigmund, que o Vampiro assumiu a presidência e eu apareci pra ele em forma de crucifixo, me lembrei da Marcela. Valei-me, pai Sigmund, que eu nunca vi uma primeira-dama mais gostosa (talvez só a Carla Bruni tenha me causado tanto furdunço na libido ectoplásmica, mas aí quem se deu bem mesmo foi o fantasma do Palais de l’Élysée).

    Esse é o problema, pai Sigmund – eu assustei o Christopher Lee dos pobres e a Marcela foi junto. Não tem jeito de desfazer o trabalho? Algum orixá vienense não pode me ajudar a trazer a Marcela de volta e deixar só o Temer lá no Jaburu?

    Me ajuda.

     

    D’Alvorada, mizifio,

    Entendo bem o que suncê passa. Aliás, zifio, quando eu formulei aquela famosa pergunta, “O que querem as mulheres?”, a resposta já tava dada: elas querem um fantasma camarada, porque homem vivente perfeito não existe mesmo.

    Mizifio, suncê tá com a faca e o queijo ectoplásmico na mão: muda pro Jaburu também. Esse Palácio da Alvorada tem uma caveira de burro enterrada aí, e como diz meu curimbeiro aqui do terreiro, o Ferenczi de Ogum, caveira de burro é osso duro de roer. Não tem trabalho que dê jeito.

    Mudando pro Jaburu suncê vai estar pertinho da Marcela e ainda pode aparecer pro Vampiro na forma de Ricardão. Aliás, zifio, se ele abrir o armário e te encontrar, nem vai estranhar: fantasma no armário é com ele mesmo.

    Boa sorte.

     

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: FANTASMA DO ALVORADA

    Pai Sigmund,

    Não sei o que acontece, mas quanto mais eu rezo mais aparecem presidentes aqui no Palácio da Alvorada. De todos os que já passaram eu só consegui assustar o Figueiredo (eu aparecia pra ele na forma de cheiro de povo, que ele detestava), que foi morar na Granja do Torto, e o Collor (eu surgia pra ele na forma do Sarney), que se mudou pra Casa da Dinda.

    Mas agora, pai Sigmund, que o Vampiro assumiu a presidência e eu apareci pra ele em forma de crucifixo, me lembrei da Marcela. Valei-me, pai Sigmund, que eu nunca vi uma primeira-dama mais gostosa (talvez só a Carla Bruni tenha me causado tanto furdunço na libido ectoplásmica, mas aí quem se deu bem mesmo foi o fantasma do Palais de l’Élysée).

    Esse é o problema, pai Sigmund – eu assustei o Christopher Lee dos pobres e a Marcela foi junto. Não tem jeito de desfazer o trabalho? Algum orixá vienense não pode me ajudar a trazer a Marcela de volta e deixar só o Temer lá no Jaburu?

    Me ajuda.

     

    D’Alvorada, mizifio,

    Entendo bem o que suncê passa. Aliás, zifio, quando eu formulei aquela famosa pergunta, “O que querem as mulheres?”, a resposta já tava dada: elas querem um fantasma camarada, porque homem vivente perfeito não existe mesmo.

    Mizifio, suncê tá com a faca e o queijo ectoplásmico na mão: muda pro Jaburu também. Esse Palácio da Alvorada tem uma caveira de burro enterrada aí, e como diz meu curimbeiro aqui do terreiro, o Ferenczi de Ogum, caveira de burro é osso duro de roer. Não tem trabalho que dê jeito.

    Mudando pro Jaburu suncê vai estar pertinho da Marcela e ainda pode aparecer pro Vampiro na forma de Ricardão. Aliás, zifio, se ele abrir o armário e te encontrar, nem vai estranhar: fantasma no armário é com ele mesmo.

    Boa sorte.

     

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    PAI SIGMUND RECEBE O OXÓSSICAR 2017, MAS ACABA TENDO QUE DEVOLVER O PRÊMIO

    Freud Oscar

    Esta semana Pai Sigmund deu um tempo nas sessões, fechou o terreiro e foi receber o prêmio máximo da Escola Psicanalítica Iorubá, o Oxóssicar. Na ocasião ele discursou, emocionado: “Mizifios, eu queria agradecer à figura materna, já que sem ela nunca ia ter psicanálise, e principalmente à mãe Menininha de Gantois, que, junto com a Lou-Andreas Salomé, foi meu maior caso. Caso de terapia, claro”.

    Entretanto, no auge do discurso pai Sigmund foi alertado que teria ocorrido um processo de transferência psicanalítica de envelopes, e que o seu foi entregue por engano. Com tudo esclarecido, o Oxóssicar 2017 foi na verdade para pai Lacan de Belford Roxo, pelo seminal ensaio “Para Combater o Mal-Estar na Civilização Não Carece Mais que Duas Velas Pretas e um Banho de Sal Grosso”. Demonstrando um invejável fairplay, pai Sigmund entregou a estatueta ao concorrente e sugeriu que ele a enfiasse lá onde a luz da psicanálise não bate.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    PAI SIGMUND RECEBE O OXÓSSICAR 2017, MAS ACABA TENDO QUE DEVOLVER O PRÊMIO

    Esta semana Pai Sigmund deu um tempo nas sessões, fechou o terreiro e foi receber o prêmio máximo da Escola Psicanalítica Iorubá, o Oxóssicar. Na ocasião ele discursou, emocionado: “Mizifios, eu queria agradecer à figura materna, já que sem ela nunca ia ter psicanálise, e principalmente à mãe Menininha de Gantois, que, junto com a Lou-Andreas Salomé, foi meu maior caso. Caso de terapia, claro”.

    Entretanto, no auge do discurso pai Sigmund foi alertado que teria ocorrido um processo de transferência psicanalítica de envelopes, e que o seu foi entregue por engano. Com tudo esclarecido, o Oxóssicar 2017 foi na verdade para pai Lacan de Belford Roxo, pelo seminal ensaio “Para Combater o Mal-Estar na Civilização Não Carece Mais que Duas Velas Pretas e um Banho de Sal Grosso”. Demonstrando um invejável fairplay, pai Sigmund entregou a estatueta ao concorrente e sugeriu que ele a enfiasse lá onde a luz da psicanálise não bate.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    PAI SIGMUND RECEBE O OXÓSSICAR 2017, MAS ACABA TENDO QUE DEVOLVER O PRÊMIO

    Esta semana Pai Sigmund deu um tempo nas sessões, fechou o terreiro e foi receber o prêmio máximo da Escola Psicanalítica Iorubá, o Oxóssicar. Na ocasião ele discursou, emocionado: “Mizifios, eu queria agradecer à figura materna, já que sem ela nunca ia ter psicanálise, e principalmente à mãe Menininha de Gantois, que, junto com a Lou-Andreas Salomé, foi meu maior caso. Caso de terapia, claro”.

    Entretanto, no auge do discurso pai Sigmund foi alertado que teria ocorrido um processo de transferência psicanalítica de envelopes, e que o seu foi entregue por engano. Com tudo esclarecido, o Oxóssicar 2017 foi na verdade para pai Lacan de Belford Roxo, pelo seminal ensaio “Para Combater o Mal-Estar na Civilização Não Carece Mais que Duas Velas Pretas e um Banho de Sal Grosso”. Demonstrando um invejável fairplay, pai Sigmund entregou a estatueta ao concorrente e sugeriu que ele a enfiasse lá onde a luz da psicanálise não bate.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: COLUNISTA DESTURBANTIZADORA

    freud

    Pai Sigmund,

    Minha pergunta é a de milhares de vozes que ecoam a luta identitária na salvaguarda dos valores culturais dos oprimidos: o que o senhor faz com este turbante aí?

    O senhor não sabe que isso é apropriação cultural, pai Sigmund? O senhor não sabe que usando este turbante o senhor toma o lugar de fala dos que realmente exercem o direto de utilizá-lo de forma  legítima e legitimada?

    Francamente, pai Sigmund.

     

    Eliane, zifia.

    Sabe que quando suncê falou em “milhares de vozes” eu achei que suncê era esquizofrênica? Fico pensando como suncê faz pra lidar com esse vozerio todo. Já tentou Haldol 5 mg? 

    Zifia, na afropsicanálise iorubá-vienense o que manda é a livre associação: suncê é livre pra se associar com qualquer movimento ativista, desde que não venha encher o saco dos outros. Às vezes, zifia, um turbante é só um turbante. Outras vezes é só um motivo pra armar treta quando o que falta mesmo é um bom terreiro pra varrer.   

    Quando suncê fala em lugar de fala, zifia, eu falo que o falo é que é o lugar de falar sobre a fala que fala no – ah, agora misturei tudo. Mas não devia ser nada sério, como sempre.  

    Repito pra suncê as sábias palavras do sábio cabôco Jung Tranca Rua: quem tem causa faz manifestação, quem quer causar faz textão. Eu sei, perdeu um pouco na tradução. Mas suncê entendeu.

    Se não entendeu, deve ser o vozerio aí que ainda não parou. Passa logo pro Haldol 10mg, zifia.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: COLUNISTA DESTURBANTIZADORA

    Pai Sigmund,

    Minha pergunta é a de milhares de vozes que ecoam a luta identitária na salvaguarda dos valores culturais dos oprimidos: o que o senhor faz com este turbante aí?

    O senhor não sabe que isso é apropriação cultural, pai Sigmund? O senhor não sabe que usando este turbante o senhor toma o lugar de fala dos que realmente exercem o direto de utilizá-lo de forma  legítima e legitimada?

    Francamente, pai Sigmund.

     

    Eliane, zifia.

    Sabe que quando suncê falou em “milhares de vozes” eu achei que suncê era esquizofrênica? Fico pensando como suncê faz pra lidar com esse vozerio todo. Já tentou Haldol 5 mg? 

    Zifia, na afropsicanálise iorubá-vienense o que manda é a livre associação: suncê é livre pra se associar com qualquer movimento ativista, desde que não venha encher o saco dos outros. Às vezes, zifia, um turbante é só um turbante. Outras vezes é só um motivo pra armar treta quando o que falta mesmo é um bom terreiro pra varrer.   

    Quando suncê fala em lugar de fala, zifia, eu falo que o falo é que é o lugar de falar sobre a fala que fala no – ah, agora misturei tudo. Mas não devia ser nada sério, como sempre.  

    Repito pra suncê as sábias palavras do sábio cabôco Jung Tranca Rua: quem tem causa faz manifestação, quem quer causar faz textão. Eu sei, perdeu um pouco na tradução. Mas suncê entendeu.

    Se não entendeu, deve ser o vozerio aí que ainda não parou. Passa logo pro Haldol 10mg, zifia.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: COLUNISTA DESTURBANTIZADORA

    Pai Sigmund,

    Minha pergunta é a de milhares de vozes que ecoam a luta identitária na salvaguarda dos valores culturais dos oprimidos: o que o senhor faz com este turbante aí?

    O senhor não sabe que isso é apropriação cultural, pai Sigmund? O senhor não sabe que usando este turbante o senhor toma o lugar de fala dos que realmente exercem o direto de utilizá-lo de forma  legítima e legitimada?

    Francamente, pai Sigmund.

     

    Eliane, zifia.

    Sabe que quando suncê falou em “milhares de vozes” eu achei que suncê era esquizofrênica? Fico pensando como suncê faz pra lidar com esse vozerio todo. Já tentou Haldol 5 mg? 

    Zifia, na afropsicanálise iorubá-vienense o que manda é a livre associação: suncê é livre pra se associar com qualquer movimento ativista, desde que não venha encher o saco dos outros. Às vezes, zifia, um turbante é só um turbante. Outras vezes é só um motivo pra armar treta quando o que falta mesmo é um bom terreiro pra varrer.   

    Quando suncê fala em lugar de fala, zifia, eu falo que o falo é que é o lugar de falar sobre a fala que fala no – ah, agora misturei tudo. Mas não devia ser nada sério, como sempre.  

    Repito pra suncê as sábias palavras do sábio cabôco Jung Tranca Rua: quem tem causa faz manifestação, quem quer causar faz textão. Eu sei, perdeu um pouco na tradução. Mas suncê entendeu.

    Se não entendeu, deve ser o vozerio aí que ainda não parou. Passa logo pro Haldol 10mg, zifia.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: HACKEADA DO PLANALTO

    freud

    Pai Sigmund,

    Estou desesperada.

    Nossas conversas mais íntimas, pai Sigmund, onde eu me abro para o senhor e exponho todas as minhas dúvidas, de dentro para fora e de fora para dentro, não necessariamente nessa ordem, foram hackeadas.

    O que fazer, pai Sigmund? Cedo à chantagem do hacker e pago o que ele pede? E se ele continuar pedindo mais e mais e mais, como faz o PSDB com os ministérios ? Não posso jogar o nome do Michel na lama, pai Sigmund. Se bem que um banho de lama seria o ideal para rejuvenescer aquela cara de vampiro centenário dele. Pensando bem, seria a única coisa.

    Me ajude, pai Sigmund.

     

     

    Marcela, Zifia. Seguinte:


    É isso, zifia. Beijo e vamo torcê pra ninguém mais ter lido isso, senão suncê já viu, né.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: HACKEADA DO PLANALTO

    Pai Sigmund,

    Estou desesperada.

    Nossas conversas mais íntimas, pai Sigmund, onde eu me abro para o senhor e exponho todas as minhas dúvidas, de dentro para fora e de fora para dentro, não necessariamente nessa ordem, foram hackeadas.

    O que fazer, pai Sigmund? Cedo à chantagem do hacker e pago o que ele pede? E se ele continuar pedindo mais e mais e mais, como faz o PSDB com os ministérios ? Não posso jogar o nome do Michel na lama, pai Sigmund. Se bem que um banho de lama seria o ideal para rejuvenescer aquela cara de vampiro centenário dele. Pensando bem, seria a única coisa.

    Me ajude, pai Sigmund.

     

     

    Marcela, Zifia. Seguinte:


    É isso, zifia. Beijo e vamo torcê pra ninguém mais ter lido isso, senão suncê já viu, né.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: HACKEADA DO PLANALTO

    Pai Sigmund,

    Estou desesperada.

    Nossas conversas mais íntimas, pai Sigmund, onde eu me abro para o senhor e exponho todas as minhas dúvidas, de dentro para fora e de fora para dentro, não necessariamente nessa ordem, foram hackeadas.

    O que fazer, pai Sigmund? Cedo à chantagem do hacker e pago o que ele pede? E se ele continuar pedindo mais e mais e mais, como faz o PSDB com os ministérios ? Não posso jogar o nome do Michel na lama, pai Sigmund. Se bem que um banho de lama seria o ideal para rejuvenescer aquela cara de vampiro centenário dele. Pensando bem, seria a única coisa.

    Me ajude, pai Sigmund.

     

     

    Marcela, Zifia. Seguinte:


    É isso, zifia. Beijo e vamo torcê pra ninguém mais ter lido isso, senão suncê já viu, né.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: CARECA INSEGURO DO JUDICIÁRIO

    freud

    Pai Sigmund,

    Esta noite eu sonhei que voltava à infância, e era indicado pelo diretor da escola pra ser um dos bedéis. A molecada ficou revoltada, protestou e me acusou de nunca ter realizado nada importante pra merecer aquilo. “A única coisa que você fez foi capinar o jardim da escola atrás das guimbas de cigarro que a gente fuma escondido, seu X-9!”, disseram alguns. “Todo mundo sabe que na prova final você colou as respostas do seu coleguinha espanhol!”, disseram outros. Nesse momento o sino do recreio tocou e eu acordei, suado.

    Virei pro lado e dormi de novo, e aí sonhei com o futuro, pai Sigmund. Mais precisamente em 2018. Eu concorria na chapa pra eleição presidencial, como vice-presidente, e lembro do grito de guerra de nossa campanha: “Pra presidente, Bolsomito / Pra vice, Aeroporto de Mosquito!” Nesse momento o celular tocou, e era o presidente dizendo que precisava falar urgentemente comigo.

    O que devo fazer, pai Sigmund? Vou, recuso a nomeação e me guardo pras próximas eleições?

     

    Alexandre, mizifio.

    Suncê sabe que em briga de ministro e presidente a gente não mete o tridente. Pode ser que seu chefe esteja te chamando pra perguntar por que é que suncê plagiou os trechos do livro de um gringo, quando suncê podia ter plagiado trechos do livro dele. Ciúme de hômi é uma merda, zifio.

    Seu primeiro sonho pode ter a ver com a inveja do pênis. Como sua cabeça parece uma piroca, todo mundo tinha inveja de suncê e queria puxar seu tapete. Ou isso ou suncê era muito escroto, mizifio, mas continua tudo uma questão de anatomia.

    Quanto ao segundo sonho, gostei do grito de guerra, zifio. E tenho até uma sugestão de slogan pra sua chapa: “Pior do que tá não fica: vote no cabeça de merda e no cabeça de pica!”

    O valor dos honorários pela criação publicitária seguem junto com a cobrança pela consulta, zifio. Inté.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: CARECA INSEGURO DO JUDICIÁRIO

    Pai Sigmund,

    Esta noite eu sonhei que voltava à infância, e era indicado pelo diretor da escola pra ser um dos bedéis. A molecada ficou revoltada, protestou e me acusou de nunca ter realizado nada importante pra merecer aquilo. “A única coisa que você fez foi capinar o jardim da escola atrás das guimbas de cigarro que a gente fuma escondido, seu X-9!”, disseram alguns. “Todo mundo sabe que na prova final você colou as respostas do seu coleguinha espanhol!”, disseram outros. Nesse momento o sino do recreio tocou e eu acordei, suado.

    Virei pro lado e dormi de novo, e aí sonhei com o futuro, pai Sigmund. Mais precisamente em 2018. Eu concorria na chapa pra eleição presidencial, como vice-presidente, e lembro do grito de guerra de nossa campanha: “Pra presidente, Bolsomito / Pra vice, Aeroporto de Mosquito!” Nesse momento o celular tocou, e era o presidente dizendo que precisava falar urgentemente comigo.

    O que devo fazer, pai Sigmund? Vou, recuso a nomeação e me guardo pras próximas eleições?

     

    Alexandre, mizifio.

    Suncê sabe que em briga de ministro e presidente a gente não mete o tridente. Pode ser que seu chefe esteja te chamando pra perguntar por que é que suncê plagiou os trechos do livro de um gringo, quando suncê podia ter plagiado trechos do livro dele. Ciúme de hômi é uma merda, zifio.

    Seu primeiro sonho pode ter a ver com a inveja do pênis. Como sua cabeça parece uma piroca, todo mundo tinha inveja de suncê e queria puxar seu tapete. Ou isso ou suncê era muito escroto, mizifio, mas continua tudo uma questão de anatomia.

    Quanto ao segundo sonho, gostei do grito de guerra, zifio. E tenho até uma sugestão de slogan pra sua chapa: “Pior do que tá não fica: vote no cabeça de merda e no cabeça de pica!”

    O valor dos honorários pela criação publicitária seguem junto com a cobrança pela consulta, zifio. Inté.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: CARECA INSEGURO DO JUDICIÁRIO

    Pai Sigmund,

    Esta noite eu sonhei que voltava à infância, e era indicado pelo diretor da escola pra ser um dos bedéis. A molecada ficou revoltada, protestou e me acusou de nunca ter realizado nada importante pra merecer aquilo. “A única coisa que você fez foi capinar o jardim da escola atrás das guimbas de cigarro que a gente fuma escondido, seu X-9!”, disseram alguns. “Todo mundo sabe que na prova final você colou as respostas do seu coleguinha espanhol!”, disseram outros. Nesse momento o sino do recreio tocou e eu acordei, suado.

    Virei pro lado e dormi de novo, e aí sonhei com o futuro, pai Sigmund. Mais precisamente em 2018. Eu concorria na chapa pra eleição presidencial, como vice-presidente, e lembro do grito de guerra de nossa campanha: “Pra presidente, Bolsomito / Pra vice, Aeroporto de Mosquito!” Nesse momento o celular tocou, e era o presidente dizendo que precisava falar urgentemente comigo.

    O que devo fazer, pai Sigmund? Vou, recuso a nomeação e me guardo pras próximas eleições?

     

    Alexandre, mizifio.

    Suncê sabe que em briga de ministro e presidente a gente não mete o tridente. Pode ser que seu chefe esteja te chamando pra perguntar por que é que suncê plagiou os trechos do livro de um gringo, quando suncê podia ter plagiado trechos do livro dele. Ciúme de hômi é uma merda, zifio.

    Seu primeiro sonho pode ter a ver com a inveja do pênis. Como sua cabeça parece uma piroca, todo mundo tinha inveja de suncê e queria puxar seu tapete. Ou isso ou suncê era muito escroto, mizifio, mas continua tudo uma questão de anatomia.

    Quanto ao segundo sonho, gostei do grito de guerra, zifio. E tenho até uma sugestão de slogan pra sua chapa: “Pior do que tá não fica: vote no cabeça de merda e no cabeça de pica!”

    O valor dos honorários pela criação publicitária seguem junto com a cobrança pela consulta, zifio. Inté.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: X INDECISO

    freud

    Pai Sigmund,

    Noite passada sonhei que, numa negociação bilionária, eu comprava o Sol para incorporá-lo ao meu conglomerado empresarial, só que ele veio quadrado. Acordei suando, achei que fosse o ar condicionado desligado mas lembrei que eu o havia vendido para pagar despesas advocatícias com um monte de processo.

    Dormi novamente e sonhei com uma negociação mais modesta, onde eu investia em commodities agrícolas. Na dúvida entre entre soja e cana-de-açúcar, falei ao meu financista: “Acho que vou em soja”, e ele disse: “Não, você vai em cana”. Acordei suando, e lembrei que agora só durmo com janela fechada pra evitar os cobradores que aparecem à noite.

    Fico na dúvida. Estes sonhos anunciam que eu devo aplicar em astrofísica ou em agricultura? Não consegui decifrá-los, e aí hoje de manhã fiquei sabendo que a PF está à minha procura. Será que eles vão me trazer aconselhamento sobre onde investir?

    Me ajude, Pai Sigmund.

     

    Eike, mizifio.

    Suncê acertou em duas coisas: realmente a dúvida é entre astrofísica e agricultura. Ou o que sobrou de sua megaempresa vai pro espaço ou ela vai levar nabo. Entre uma coisa e outra é que tá o X do problema.

    Zifio, a questão é simples. Suncê pagava de megaempresário, agora paga advogado criminal. Suncê posava de amigo do rei, agora vai posar pra mugshot. Suncê ia comer caviar em Paris, agora vai comer gororoba em Curitiba. Ou seja: nada como um dia atrás do outro, ou o outro dia atrás do um, depende de quem é a polícia e quem é o bandido aí.

    Sonha com carneirinho pulando a cerca, mizifio. Suncê vai lembrar do sonho quando te tosquiarem a cabeleira, na cela do presidio.  

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: X INDECISO

    Pai Sigmund,

    Noite passada sonhei que, numa negociação bilionária, eu comprava o Sol para incorporá-lo ao meu conglomerado empresarial, só que ele veio quadrado. Acordei suando, achei que fosse o ar condicionado desligado mas lembrei que eu o havia vendido para pagar despesas advocatícias com um monte de processo.

    Dormi novamente e sonhei com uma negociação mais modesta, onde eu investia em commodities agrícolas. Na dúvida entre entre soja e cana-de-açúcar, falei ao meu financista: “Acho que vou em soja”, e ele disse: “Não, você vai em cana”. Acordei suando, e lembrei que agora só durmo com janela fechada pra evitar os cobradores que aparecem à noite.

    Fico na dúvida. Estes sonhos anunciam que eu devo aplicar em astrofísica ou em agricultura? Não consegui decifrá-los, e aí hoje de manhã fiquei sabendo que a PF está à minha procura. Será que eles vão me trazer aconselhamento sobre onde investir?

    Me ajude, Pai Sigmund.

     

    Eike, mizifio.

    Suncê acertou em duas coisas: realmente a dúvida é entre astrofísica e agricultura. Ou o que sobrou de sua megaempresa vai pro espaço ou ela vai levar nabo. Entre uma coisa e outra é que tá o X do problema.

    Zifio, a questão é simples. Suncê pagava de megaempresário, agora paga advogado criminal. Suncê posava de amigo do rei, agora vai posar pra mugshot. Suncê ia comer caviar em Paris, agora vai comer gororoba em Curitiba. Ou seja: nada como um dia atrás do outro, ou o outro dia atrás do um, depende de quem é a polícia e quem é o bandido aí.

    Sonha com carneirinho pulando a cerca, mizifio. Suncê vai lembrar do sonho quando te tosquiarem a cabeleira, na cela do presidio.  

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: X INDECISO

    CONSULENTE DA SEMANA: X INDECISO

    Pai Sigmund,

    Noite passada sonhei que, numa negociação bilionária, eu comprava o Sol para incorporá-lo ao meu conglomerado empresarial, só que ele veio quadrado. Acordei suando, achei que fosse o ar condicionado desligado mas lembrei que eu o havia vendido para pagar despesas advocatícias com um monte de processo.

    Dormi novamente e sonhei com uma negociação mais modesta, onde eu investia em commodities agrícolas. Na dúvida entre entre soja e cana-de-açúcar, falei ao meu financista: “Acho que vou em soja”, e ele disse: “Não, você vai em cana”. Acordei suando, e lembrei que agora só durmo com janela fechada pra evitar os cobradores que aparecem à noite.

    Fico na dúvida. Estes sonhos anunciam que eu devo aplicar em astrofísica ou em agricultura? Não consegui decifrá-los, e aí hoje de manhã fiquei sabendo que a PF está à minha procura. Será que eles vão me trazer aconselhamento sobre onde investir?

    Me ajude, Pai Sigmund.

     

    Eike, mizifio.

    Suncê acertou em duas coisas: realmente a dúvida é entre astrofísica e agricultura. Ou o que sobrou de sua megaempresa vai pro espaço ou ela vai levar nabo. Entre uma coisa e outra é que tá o X do problema.

    Zifio, a questão é simples. Suncê pagava de megaempresário, agora paga advogado criminal. Suncê posava de amigo do rei, agora vai posar pra mugshot. Suncê ia comer caviar em Paris, agora vai comer gororoba em Curitiba. Ou seja: nada como um dia atrás do outro, ou o outro dia atrás do um, depende de quem é a polícia e quem é o bandido aí.

    Sonha com carneirinho pulando a cerca, mizifio. Suncê vai lembrar do sonho quando te tosquiarem a cabeleira, na cela do presidio.  

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: INSEGURO DO CALENDÁRO

    freud

     

    Pai Sigmund,

    Comecei agora, como substituto, mas ainda não me entrosei no esquema. Parece que meu antecessor matou muita gente famosa, depôs uma presidente, afundou a economia, derrubou vários ministros e lá nos EUA elegeu uma toupeira com peruca de castor (ou o contrário), entre otras cositas más y outras piores ainda.

    Não sei se vou ter competência como substituto, pai Sigmund. Comecei meio tímido e não sei se chego aos pés dele. Nessas horas a insegurança bate forte. O que eu devo fazer para que meu nome fique também na História?

    No aguardo.

     

     

    2017, mizifio.

    Como diria Jack, o psicanalista estripador, vamos por partes componentes da psique. 2016 não foi nenhum fim do mundo – até porque o fim do mundo teria sido muito melhor. Mas divago.

    Zifio, a escola psicanalista afro-vienense é bem clara quanto à questão: ano é contingência temporal e em si não provoca coisa alguma. Não pode ser responsabilizado por tragédias e jamais tem que levar a culpa por nada de ruim. Quem faz cagada é o ser humano: simples assim.

    Então, já que suncê não pode ser responsabilizado, pode barbarizar, mizifio. Arrebenta a boca do balão, enfia o pé na jaca, espoca a silibina e põe pra quebrar. A culpa vai ficar com a mídia golpista mesmo. 

    Falando em golpe, seu pagamento pela consulta não chegou ainda, zifio. Se suncê já quer começar dando cano, aguarda o vodu que eu vou fazer no seu boneco. Suncê vai deixar de ser Ano Novo pra virar um Annus Horribilis.

    Com e sem trocadilho.

     

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: INSEGURO DO CALENDÁRO

     

    Pai Sigmund,

    Comecei agora, como substituto, mas ainda não me entrosei no esquema. Parece que meu antecessor matou muita gente famosa, depôs uma presidente, afundou a economia, derrubou vários ministros e lá nos EUA elegeu uma toupeira com peruca de castor (ou o contrário), entre otras cositas más y outras piores ainda.

    Não sei se vou ter competência como substituto, pai Sigmund. Comecei meio tímido e não sei se chego aos pés dele. Nessas horas a insegurança bate forte. O que eu devo fazer para que meu nome fique também na História?

    No aguardo.

     

     

    2017, mizifio.

    Como diria Jack, o psicanalista estripador, vamos por partes componentes da psique. 2016 não foi nenhum fim do mundo – até porque o fim do mundo teria sido muito melhor. Mas divago.

    Zifio, a escola psicanalista afro-vienense é bem clara quanto à questão: ano é contingência temporal e em si não provoca coisa alguma. Não pode ser responsabilizado por tragédias e jamais tem que levar a culpa por nada de ruim. Quem faz cagada é o ser humano: simples assim.

    Então, já que suncê não pode ser responsabilizado, pode barbarizar, mizifio. Arrebenta a boca do balão, enfia o pé na jaca, espoca a silibina e põe pra quebrar. A culpa vai ficar com a mídia golpista mesmo. 

    Falando em golpe, seu pagamento pela consulta não chegou ainda, zifio. Se suncê já quer começar dando cano, aguarda o vodu que eu vou fazer no seu boneco. Suncê vai deixar de ser Ano Novo pra virar um Annus Horribilis.

    Com e sem trocadilho.

     

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: INSEGURO DO CALENDÁRO

     

    Pai Sigmund,

    Comecei agora, como substituto, mas ainda não me entrosei no esquema. Parece que meu antecessor matou muita gente famosa, depôs uma presidente, afundou a economia, derrubou vários ministros e lá nos EUA elegeu uma toupeira com peruca de castor (ou o contrário), entre otras cositas más y outras piores ainda.

    Não sei se vou ter competência como substituto, pai Sigmund. Comecei meio tímido e não sei se chego aos pés dele. Nessas horas a insegurança bate forte. O que eu devo fazer para que meu nome fique também na História?

    No aguardo.

     

     

    2017, mizifio.

    Como diria Jack, o psicanalista estripador, vamos por partes componentes da psique. 2016 não foi nenhum fim do mundo – até porque o fim do mundo teria sido muito melhor. Mas divago.

    Zifio, a escola psicanalista afro-vienense é bem clara quanto à questão: ano é contingência temporal e em si não provoca coisa alguma. Não pode ser responsabilizado por tragédias e jamais tem que levar a culpa por nada de ruim. Quem faz cagada é o ser humano: simples assim.

    Então, já que suncê não pode ser responsabilizado, pode barbarizar, mizifio. Arrebenta a boca do balão, enfia o pé na jaca, espoca a silibina e põe pra quebrar. A culpa vai ficar com a mídia golpista mesmo. 

    Falando em golpe, seu pagamento pela consulta não chegou ainda, zifio. Se suncê já quer começar dando cano, aguarda o vodu que eu vou fazer no seu boneco. Suncê vai deixar de ser Ano Novo pra virar um Annus Horribilis.

    Com e sem trocadilho.

     

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE: DELATOR ANÔNIMO DE CURITIBA

    freud

    Pai Sigmund.

    Peço discrição e segredo, porque sou evangélico e não pega bem pras minhas bases o fato de eu estar recorrendo à afro-psicanálise. Mas preciso de sua consulta, bem como a de todos os orixás vienenses.

    Primeiramente, eu adorava sentar na cadeira de presidente da Câm… digo, de uma certa repartição federal, em Brasília, e aqui em Curitiba, pra matar a saudade, eu vivo sentando no boi da cela, pra pagar de xerife, e não deixo ninguém mais usar. Isso é normal?

    Em segundo lugar, ando com uma compulsão irresistível por delatar inimigos, amigos e até parentes, mas sempre esbarro na questão “o que eu levo nisso tudo?” lsso significa que eu sou um anal retentivo?

    Finalmente, tenho um ativo de 230 milhões de reais só em depósitos na Suíça, e preciso lavar isso urgentemente, assim que sair da cadeia (favor olhar o parágrafo anterior). Posso aplicar esse dinheiro no seu terreiro e o senhor fica de laranja, pai Sigmund? Não é porque o senhor é um pai de santo que tem que se vestir só de branco, não é?

    Confiando em sua discrição, e reforçando o pedido de não divulgar o seu nome,

    Muito obrigado.

     

    Eduardo Cunha, mizifio,

    Primeiramente, suncê há de saber que o único nome que eu mantenho em silêncio é aquele-que-não-se-pronuncia, ou seja, o cliente inadimplente. Mas pra esse eu tenho uma mandinga que sempre dá certo: eu rezo o complexo de Édipo dele pra virar amplexo de débito, e o filho da puta desenvolve uma mania doida de sair abraçando os credores dele. Aí é com eles.  

    Zifio, essa sua mania de sentar, seja em cadeira de presidente da Câmara ou no boi da cela, vai ter seu auge quando suncê sentar no banco dos réus e explicar de onde veio sua grana. Mas, respondendo à sua pergunta, isso é normal, sim, zifio. Anormal é a quantidade da grana. 

    Suncê também não é anal retentivo só porque tá hesitando em delatar, zifio. O povo que vai ser delatado por suncê é que tá com problema anal trancativo. lnclusive vários deles já me procuraram aqui pra saber o que fazer com tanta fobia de cana. Ganhei uns 400 consulentes só essa semana. Bamburrei, zifio.

    O que responde inclusive à sua última pergunta. Tenho vocação pra laranja não, zifio. Aliás, minha fruta preferida é côco. Dá pra comer, beber e ainda rumar na cabeça dos clientes inadimplentes que tenham corpo fechado pro amplexo de débito.

    É isso. No mais, faz igual à mulher de suncê: olho bem aberto. Principalmente aí na cela.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE: DELATOR ANÔNIMO DE CURITIBA

    Pai Sigmund.

    Peço discrição e segredo, porque sou evangélico e não pega bem pras minhas bases o fato de eu estar recorrendo à afro-psicanálise. Mas preciso de sua consulta, bem como a de todos os orixás vienenses.

    Primeiramente, eu adorava sentar na cadeira de presidente da Câm… digo, de uma certa repartição federal, em Brasília, e aqui em Curitiba, pra matar a saudade, eu vivo sentando no boi da cela, pra pagar de xerife, e não deixo ninguém mais usar. Isso é normal?

    Em segundo lugar, ando com uma compulsão irresistível por delatar inimigos, amigos e até parentes, mas sempre esbarro na questão “o que eu levo nisso tudo?” lsso significa que eu sou um anal retentivo?

    Finalmente, tenho um ativo de 230 milhões de reais só em depósitos na Suíça, e preciso lavar isso urgentemente, assim que sair da cadeia (favor olhar o parágrafo anterior). Posso aplicar esse dinheiro no seu terreiro e o senhor fica de laranja, pai Sigmund? Não é porque o senhor é um pai de santo que tem que se vestir só de branco, não é?

    Confiando em sua discrição, e reforçando o pedido de não divulgar o seu nome,

    Muito obrigado.

     

    Eduardo Cunha, mizifio,

    Primeiramente, suncê há de saber que o único nome que eu mantenho em silêncio é aquele-que-não-se-pronuncia, ou seja, o cliente inadimplente. Mas pra esse eu tenho uma mandinga que sempre dá certo: eu rezo o complexo de Édipo dele pra virar amplexo de débito, e o filho da puta desenvolve uma mania doida de sair abraçando os credores dele. Aí é com eles.  

    Zifio, essa sua mania de sentar, seja em cadeira de presidente da Câmara ou no boi da cela, vai ter seu auge quando suncê sentar no banco dos réus e explicar de onde veio sua grana. Mas, respondendo à sua pergunta, isso é normal, sim, zifio. Anormal é a quantidade da grana. 

    Suncê também não é anal retentivo só porque tá hesitando em delatar, zifio. O povo que vai ser delatado por suncê é que tá com problema anal trancativo. lnclusive vários deles já me procuraram aqui pra saber o que fazer com tanta fobia de cana. Ganhei uns 400 consulentes só essa semana. Bamburrei, zifio.

    O que responde inclusive à sua última pergunta. Tenho vocação pra laranja não, zifio. Aliás, minha fruta preferida é côco. Dá pra comer, beber e ainda rumar na cabeça dos clientes inadimplentes que tenham corpo fechado pro amplexo de débito.

    É isso. No mais, faz igual à mulher de suncê: olho bem aberto. Principalmente aí na cela.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE: DELATOR ANÔNIMO DE CURITIBA

    Pai Sigmund.

    Peço discrição e segredo, porque sou evangélico e não pega bem pras minhas bases o fato de eu estar recorrendo à afro-psicanálise. Mas preciso de sua consulta, bem como a de todos os orixás vienenses.

    Primeiramente, eu adorava sentar na cadeira de presidente da Câm… digo, de uma certa repartição federal, em Brasília, e aqui em Curitiba, pra matar a saudade, eu vivo sentando no boi da cela, pra pagar de xerife, e não deixo ninguém mais usar. Isso é normal?

    Em segundo lugar, ando com uma compulsão irresistível por delatar inimigos, amigos e até parentes, mas sempre esbarro na questão “o que eu levo nisso tudo?” lsso significa que eu sou um anal retentivo?

    Finalmente, tenho um ativo de 230 milhões de reais só em depósitos na Suíça, e preciso lavar isso urgentemente, assim que sair da cadeia (favor olhar o parágrafo anterior). Posso aplicar esse dinheiro no seu terreiro e o senhor fica de laranja, pai Sigmund? Não é porque o senhor é um pai de santo que tem que se vestir só de branco, não é?

    Confiando em sua discrição, e reforçando o pedido de não divulgar o seu nome,

    Muito obrigado.

     

    Eduardo Cunha, mizifio,

    Primeiramente, suncê há de saber que o único nome que eu mantenho em silêncio é aquele-que-não-se-pronuncia, ou seja, o cliente inadimplente. Mas pra esse eu tenho uma mandinga que sempre dá certo: eu rezo o complexo de Édipo dele pra virar amplexo de débito, e o filho da puta desenvolve uma mania doida de sair abraçando os credores dele. Aí é com eles.  

    Zifio, essa sua mania de sentar, seja em cadeira de presidente da Câmara ou no boi da cela, vai ter seu auge quando suncê sentar no banco dos réus e explicar de onde veio sua grana. Mas, respondendo à sua pergunta, isso é normal, sim, zifio. Anormal é a quantidade da grana. 

    Suncê também não é anal retentivo só porque tá hesitando em delatar, zifio. O povo que vai ser delatado por suncê é que tá com problema anal trancativo. lnclusive vários deles já me procuraram aqui pra saber o que fazer com tanta fobia de cana. Ganhei uns 400 consulentes só essa semana. Bamburrei, zifio.

    O que responde inclusive à sua última pergunta. Tenho vocação pra laranja não, zifio. Aliás, minha fruta preferida é côco. Dá pra comer, beber e ainda rumar na cabeça dos clientes inadimplentes que tenham corpo fechado pro amplexo de débito.

    É isso. No mais, faz igual à mulher de suncê: olho bem aberto. Principalmente aí na cela.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: DESMORALIZADO DO SUPREMO

    freud

    Pai Sigmund,

    Sonhei que eu dava voz de prisão a um ladrão de galinha (dos ovos de ouro, diga-se) mas ele me virava as costas e continuava colocando os ovos de ouro no saco. Então eu pedi ajuda aos colegas pra confirmar minha voz de prisão, mas aí eles também ficaram cor de ouro (amarelaram, diga-se) e deixaram o ladrão lá, continuando a ensacar os ovos que roubava. Desiludido, eu disse aos meus colegas que eles precisavam ter culhão de aço e honrar suas biografias, e eles responderam “De que adianta a gente ter culhão de aço se os ovos dele são de ouro?”

    Diante disso eu fiquei me perguntando, Pai Sigmund:

    • Meus colegas foram tomados pela clássica lnveja do Culhão?
    • Quem veio primeiro, o ovo de ouro ou o ladrão de galinha?
    • Será que eu largo tudo e volto pra minha banca de advocacia?

    No aguardo,

    Desmoralizado do Supremo

     

     

    Marco Aurélio, mizifio,

    Suncê não tem que ficar se fazendo essas perguntas pra suncê mesmo, senão eu perco minha fonte de renda. Pode perguntar diretamente pra mim. 

    Pra pergunta sobre a lnveja do Culhão, por exemplo, eu acho que a resposta é uma só: se o culhão é de aço e os ovos são de ouro, a inveja é uma merda. Fica só complicado fazer isso tudo caber num adesivo de carro, zifio, mas tenta.

    Pra pergunta sobre quem veio primeiro, o ovo de ouro ou o ladrão de galinha, ela já tá respondida, zifio: o ladrão veio primeiro, conversou com a galinha e prometeu propina, aí o ovo de ouro já foi posto diretamente numa conta numerada na Suíça.

    Agora, zifio, sobre suncê largar tudo e voltar a advogar, isso me lembrou uma piada sobre advogado que também tem ovo na história: um homem acordou com uma dor no ovo esquerdo, aí foi ao médico. Só que errou de sala e entrou num escritório de advocacia. Quando explicou que tava com o ovo esquerdo doendo, o profissinal respondeu: “Me desculpa, mas minha especialidade é o Direito”, no que o pobre homem gritou: “Caralho, vai ser especialista assim na puta que pariu!”.

    Eu sei, zifio. Nada a ver. Mas suncê conhece algo mais nada a ver do que aquela decisão dos colegas de suncê, ontem?

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: DESMORALIZADO DO SUPREMO

    Pai Sigmund,

    Sonhei que eu dava voz de prisão a um ladrão de galinha (dos ovos de ouro, diga-se) mas ele me virava as costas e continuava colocando os ovos de ouro no saco. Então eu pedi ajuda aos colegas pra confirmar minha voz de prisão, mas aí eles também ficaram cor de ouro (amarelaram, diga-se) e deixaram o ladrão lá, continuando a ensacar os ovos que roubava. Desiludido, eu disse aos meus colegas que eles precisavam ter culhão de aço e honrar suas biografias, e eles responderam “De que adianta a gente ter culhão de aço se os ovos dele são de ouro?”

    Diante disso eu fiquei me perguntando, Pai Sigmund:

    • Meus colegas foram tomados pela clássica lnveja do Culhão?
    • Quem veio primeiro, o ovo de ouro ou o ladrão de galinha?
    • Será que eu largo tudo e volto pra minha banca de advocacia?

    No aguardo,

    Desmoralizado do Supremo

     

     

    Marco Aurélio, mizifio,

    Suncê não tem que ficar se fazendo essas perguntas pra suncê mesmo, senão eu perco minha fonte de renda. Pode perguntar diretamente pra mim. 

    Pra pergunta sobre a lnveja do Culhão, por exemplo, eu acho que a resposta é uma só: se o culhão é de aço e os ovos são de ouro, a inveja é uma merda. Fica só complicado fazer isso tudo caber num adesivo de carro, zifio, mas tenta.

    Pra pergunta sobre quem veio primeiro, o ovo de ouro ou o ladrão de galinha, ela já tá respondida, zifio: o ladrão veio primeiro, conversou com a galinha e prometeu propina, aí o ovo de ouro já foi posto diretamente numa conta numerada na Suíça.

    Agora, zifio, sobre suncê largar tudo e voltar a advogar, isso me lembrou uma piada sobre advogado que também tem ovo na história: um homem acordou com uma dor no ovo esquerdo, aí foi ao médico. Só que errou de sala e entrou num escritório de advocacia. Quando explicou que tava com o ovo esquerdo doendo, o profissinal respondeu: “Me desculpa, mas minha especialidade é o Direito”, no que o pobre homem gritou: “Caralho, vai ser especialista assim na puta que pariu!”.

    Eu sei, zifio. Nada a ver. Mas suncê conhece algo mais nada a ver do que aquela decisão dos colegas de suncê, ontem?

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: DESMORALIZADO DO SUPREMO

    Pai Sigmund,

    Sonhei que eu dava voz de prisão a um ladrão de galinha (dos ovos de ouro, diga-se) mas ele me virava as costas e continuava colocando os ovos de ouro no saco. Então eu pedi ajuda aos colegas pra confirmar minha voz de prisão, mas aí eles também ficaram cor de ouro (amarelaram, diga-se) e deixaram o ladrão lá, continuando a ensacar os ovos que roubava. Desiludido, eu disse aos meus colegas que eles precisavam ter culhão de aço e honrar suas biografias, e eles responderam “De que adianta a gente ter culhão de aço se os ovos dele são de ouro?”

    Diante disso eu fiquei me perguntando, Pai Sigmund:

    • Meus colegas foram tomados pela clássica lnveja do Culhão?
    • Quem veio primeiro, o ovo de ouro ou o ladrão de galinha?
    • Será que eu largo tudo e volto pra minha banca de advocacia?

    No aguardo,

    Desmoralizado do Supremo

     

     

    Marco Aurélio, mizifio,

    Suncê não tem que ficar se fazendo essas perguntas pra suncê mesmo, senão eu perco minha fonte de renda. Pode perguntar diretamente pra mim. 

    Pra pergunta sobre a lnveja do Culhão, por exemplo, eu acho que a resposta é uma só: se o culhão é de aço e os ovos são de ouro, a inveja é uma merda. Fica só complicado fazer isso tudo caber num adesivo de carro, zifio, mas tenta.

    Pra pergunta sobre quem veio primeiro, o ovo de ouro ou o ladrão de galinha, ela já tá respondida, zifio: o ladrão veio primeiro, conversou com a galinha e prometeu propina, aí o ovo de ouro já foi posto diretamente numa conta numerada na Suíça.

    Agora, zifio, sobre suncê largar tudo e voltar a advogar, isso me lembrou uma piada sobre advogado que também tem ovo na história: um homem acordou com uma dor no ovo esquerdo, aí foi ao médico. Só que errou de sala e entrou num escritório de advocacia. Quando explicou que tava com o ovo esquerdo doendo, o profissinal respondeu: “Me desculpa, mas minha especialidade é o Direito”, no que o pobre homem gritou: “Caralho, vai ser especialista assim na puta que pariu!”.

    Eu sei, zifio. Nada a ver. Mas suncê conhece algo mais nada a ver do que aquela decisão dos colegas de suncê, ontem?

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: APRESSADINHO DO SENADO

    freud

    Pai Sigmund,

    Tenho pesadelos recorrentes onde estou apressando as votações do Senado pra vários pacotes e embalagens, desde o embrulho em que me meti com a Odebrecht até a mala sem alça que é essa operação Lava Jato.

    Aí acordo, tomo um ansiolítico, durmo de novo e sonho que estou apressando o passo pra fugir de um policial hipster com coque no cabelo. Acordo, tomo uma vodca, durmo de novo e sonho que estou apressando o jato pra colocar na mala a operação Lava Odebrecht. Acordo, tomo um ansiolítico com vodca, volto a dormir e sonho que estou apressando a operação Lava Mala pra embrulhar o jato enquanto faço um coque no cabelo.

    Finalmente acordo e faço uma retrospectiva tudo o que sonhei, ao ver o ansiolítico e a vodka no meio do vômito em cima da cama.

    Pai Sigmund, essa pressa toda significa que eu sou precoce?

     

     

    Renan, mizifio. 

    Aproveita então que suncê é tão apressadinho e paga a consulta antes – aí eu interpreto o sonho de suncê. Mas olha: vai se preparando pra voltar a dormir, viu? De pijama listrado.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: APRESSADINHO DO SENADO

    Pai Sigmund,

    Tenho pesadelos recorrentes onde estou apressando as votações do Senado pra vários pacotes e embalagens, desde o embrulho em que me meti com a Odebrecht até a mala sem alça que é essa operação Lava Jato.

    Aí acordo, tomo um ansiolítico, durmo de novo e sonho que estou apressando o passo pra fugir de um policial hipster com coque no cabelo. Acordo, tomo uma vodca, durmo de novo e sonho que estou apressando o jato pra colocar na mala a operação Lava Odebrecht. Acordo, tomo um ansiolítico com vodca, volto a dormir e sonho que estou apressando a operação Lava Mala pra embrulhar o jato enquanto faço um coque no cabelo.

    Finalmente acordo e faço uma retrospectiva tudo o que sonhei, ao ver o ansiolítico e a vodka no meio do vômito em cima da cama.

    Pai Sigmund, essa pressa toda significa que eu sou precoce?

     

     

    Renan, mizifio. 

    Aproveita então que suncê é tão apressadinho e paga a consulta antes – aí eu interpreto o sonho de suncê. Mas olha: vai se preparando pra voltar a dormir, viu? De pijama listrado.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: APRESSADINHO DO SENADO

    Pai Sigmund,

    Tenho pesadelos recorrentes onde estou apressando as votações do Senado pra vários pacotes e embalagens, desde o embrulho em que me meti com a Odebrecht até a mala sem alça que é essa operação Lava Jato.

    Aí acordo, tomo um ansiolítico, durmo de novo e sonho que estou apressando o passo pra fugir de um policial hipster com coque no cabelo. Acordo, tomo uma vodca, durmo de novo e sonho que estou apressando o jato pra colocar na mala a operação Lava Odebrecht. Acordo, tomo um ansiolítico com vodca, volto a dormir e sonho que estou apressando a operação Lava Mala pra embrulhar o jato enquanto faço um coque no cabelo.

    Finalmente acordo e faço uma retrospectiva tudo o que sonhei, ao ver o ansiolítico e a vodka no meio do vômito em cima da cama.

    Pai Sigmund, essa pressa toda significa que eu sou precoce?

     

     

    Renan, mizifio. 

    Aproveita então que suncê é tão apressadinho e paga a consulta antes – aí eu interpreto o sonho de suncê. Mas olha: vai se preparando pra voltar a dormir, viu? De pijama listrado.

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: CHORÃO DE SALVADOR

    freud

    Pai Sigmund,

    Esta noite sonhei que construía um belo apartamento de 4 suítes em Salvador, com vista pro mar, mas o sertão virou mar, o mar virou sertão e o apartamento virou uma quitinete com vista pro sol quadrado. Acordei chorando, virei pro lado e sonhei com uma gorda comissão da construtora do apartamento, mas de repente essa comissão virou a Comissão de Ética do Governo e o povo discutia se me mandava embora ou não, então acordei chorando mais ainda e, como não tinha mais lado pra me virar, acabei dando o assunto por encerrado e não quero falar mais nisso.

    Aliás, quero sim: será que esse chororô tem a ver com complexo de Édipo, já que tá cada vez mais difícil deixarem eu continuar mamando?

    Me ajuda, Pai Sigmund.

     

    Geddel, mizifio,

    Pra analisar um sonho, suncê tem que ir por partes: primeiro, a minha parte tem que ser paga à vista, senão não tem interpretação, nem choro nem vela.

    Segundo, prestenção, zifio: suncê vem sonhar com Comissão de Ética do Governo? Falar em ética nesse governo é o mesmo que falar do Ministério da Marinha do Paraguai, ou de vida civilizada na Venezuela. Fica esperto, zifio. Se é pra sonhar com tema surreal, sonha logo com a Reforma Política. E arranja um bom advogado.

    Olha, mizifio, esse chororô não tem nada a ver com Complexo de Édipo não. Tem mais a ver com a inveja do pênis. Suncê pensa no pênis do Temer adentrando a bacurinha da Marcela e fica morrendo de inveja do bilau presidencial, aí não pode fazer o mesmo e então tenta descolar um apartamento à beira mar de Salvador, que também tem cheiro de peixe, tem umidade o dia inteiro e onde suncê pode entrar e sair toda hora. O problema é que tem um Calero no meio do caminho que estraga tudo, então suncê cai no choro. É compreensível.

    Só não vai ter choro é no acerto dessa consulta, zifio. Ou tu paga ou eu ponho o cabôco Lacan Tranca Ministério na tua cola e aí é que suncê nunca mais vai desfrutar dessa mamata. Ouviste?

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: CHORÃO DE SALVADOR

    Pai Sigmund,

    Esta noite sonhei que construía um belo apartamento de 4 suítes em Salvador, com vista pro mar, mas o sertão virou mar, o mar virou sertão e o apartamento virou uma quitinete com vista pro sol quadrado. Acordei chorando, virei pro lado e sonhei com uma gorda comissão da construtora do apartamento, mas de repente essa comissão virou a Comissão de Ética do Governo e o povo discutia se me mandava embora ou não, então acordei chorando mais ainda e, como não tinha mais lado pra me virar, acabei dando o assunto por encerrado e não quero falar mais nisso.

    Aliás, quero sim: será que esse chororô tem a ver com complexo de Édipo, já que tá cada vez mais difícil deixarem eu continuar mamando?

    Me ajuda, Pai Sigmund.

     

    Geddel, mizifio,

    Pra analisar um sonho, suncê tem que ir por partes: primeiro, a minha parte tem que ser paga à vista, senão não tem interpretação, nem choro nem vela.

    Segundo, prestenção, zifio: suncê vem sonhar com Comissão de Ética do Governo? Falar em ética nesse governo é o mesmo que falar do Ministério da Marinha do Paraguai, ou de vida civilizada na Venezuela. Fica esperto, zifio. Se é pra sonhar com tema surreal, sonha logo com a Reforma Política. E arranja um bom advogado.

    Olha, mizifio, esse chororô não tem nada a ver com Complexo de Édipo não. Tem mais a ver com a inveja do pênis. Suncê pensa no pênis do Temer adentrando a bacurinha da Marcela e fica morrendo de inveja do bilau presidencial, aí não pode fazer o mesmo e então tenta descolar um apartamento à beira mar de Salvador, que também tem cheiro de peixe, tem umidade o dia inteiro e onde suncê pode entrar e sair toda hora. O problema é que tem um Calero no meio do caminho que estraga tudo, então suncê cai no choro. É compreensível.

    Só não vai ter choro é no acerto dessa consulta, zifio. Ou tu paga ou eu ponho o cabôco Lacan Tranca Ministério na tua cola e aí é que suncê nunca mais vai desfrutar dessa mamata. Ouviste?

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

    CONSULENTE DA SEMANA: CHORÃO DE SALVADOR

    Pai Sigmund,

    Esta noite sonhei que construía um belo apartamento de 4 suítes em Salvador, com vista pro mar, mas o sertão virou mar, o mar virou sertão e o apartamento virou uma quitinete com vista pro sol quadrado. Acordei chorando, virei pro lado e sonhei com uma gorda comissão da construtora do apartamento, mas de repente essa comissão virou a Comissão de Ética do Governo e o povo discutia se me mandava embora ou não, então acordei chorando mais ainda e, como não tinha mais lado pra me virar, acabei dando o assunto por encerrado e não quero falar mais nisso.

    Aliás, quero sim: será que esse chororô tem a ver com complexo de Édipo, já que tá cada vez mais difícil deixarem eu continuar mamando?

    Me ajuda, Pai Sigmund.

     

    Geddel, mizifio,

    Pra analisar um sonho, suncê tem que ir por partes: primeiro, a minha parte tem que ser paga à vista, senão não tem interpretação, nem choro nem vela.

    Segundo, prestenção, zifio: suncê vem sonhar com Comissão de Ética do Governo? Falar em ética nesse governo é o mesmo que falar do Ministério da Marinha do Paraguai, ou de vida civilizada na Venezuela. Fica esperto, zifio. Se é pra sonhar com tema surreal, sonha logo com a Reforma Política. E arranja um bom advogado.

    Olha, mizifio, esse chororô não tem nada a ver com Complexo de Édipo não. Tem mais a ver com a inveja do pênis. Suncê pensa no pênis do Temer adentrando a bacurinha da Marcela e fica morrendo de inveja do bilau presidencial, aí não pode fazer o mesmo e então tenta descolar um apartamento à beira mar de Salvador, que também tem cheiro de peixe, tem umidade o dia inteiro e onde suncê pode entrar e sair toda hora. O problema é que tem um Calero no meio do caminho que estraga tudo, então suncê cai no choro. É compreensível.

    Só não vai ter choro é no acerto dessa consulta, zifio. Ou tu paga ou eu ponho o cabôco Lacan Tranca Ministério na tua cola e aí é que suncê nunca mais vai desfrutar dessa mamata. Ouviste?

    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
    Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone