• Categories
  • Iluminação com Baba (4)

    Por Baba Nabaatha

    ABC. O Pelé que em mim habita, saúda o Pelé que habita em você.

    Cortaram minha luz. Fui consultar meu guru Sai Baba (esse é outro) para ver se conseguia uma palavra de sabedoria. Encontrei-o trançando tiras de couro para fazer um cinto. Ele vende esses objetos na feira de artesanato de Itaim Bibi. É uma feira como muitas outras. Mas essa é muito, Muito chique!

    Ajoelhei-me diante dele, imediatamente assumindo a posição do “aprendiz claudicante”. É uma posição muito difícil, que só quem já está no terceiro dan consegue fazer. Enfim, contei para ele o meu problema e aguardei pacientemente que ele me dissesse algo, o que demorou mais de 20 minutos. Ele não quis parar de trançar as tiras de couro porque podia perder o fio da meada.

    Finalmente, ele encaixou a fivela, colocou o cinto estendido no chão, olhou para mim e disse:

    – Gafanhoto, o que você vê?

    – Vejo um cinto, mestre. E muito bonito por sinal. Quanto é?

    – Duzentos reais. Divido no cartão.

    Foi o suficiente para mim. Entendi o que o meu sábio mestre quis dizer. Devo ligar pra concessionária de energia e dividir o atrasado no cartão. Gênio!

    Quando já estava me levantando, vi que ele, de alguma forma, tinha pegado o meu cartão e passado na maquininha. Fiquei sem limite. Mas agora tenho um cinto lindão!

    E agora, nossa iluminação diária: ponha a cabeça para trás, relaxe, revire os olhos, tente não rir.

    Conta-se que, certa vez, um homem chegara em casa e encontrara sua esposa arfando na cama. Aflito, pois sabia dos fortíssimos ataques de asma que sua querida esposa costumava ter, correu até o armário para pegar o remédio. Quando abriu a porta do armário, o homem ficou surpreso ao encontrar o marcineiro. Sem roupas. O marcineiro falou que estava dando uns retoques na parte do fundo e, como o calor era forte, acabou por tirar suas vestes.

    Possesso, o homem tentou jogar o marceneiro pela janela do 14º andar, mas foi contido por sua mulher que, àquela altura, já tinha se curado da asma. Ela se postou no caminho da janela e, gritando como quem quer acordar o Senhor, disse que era o marceneiro quem pagava a faculdade dos gêmeos. Ciente do valor cobrado hoje em dia, o homem serviu um cafezinho.

    Iluminação do dia: Se você não tiver certeza de como suas contas são pagas, é melhor aprender a fazer café.

    Iluminação com Baba (4)

    Por Baba Nabaatha

    ABC. O Pelé que em mim habita, saúda o Pelé que habita em você.

    Cortaram minha luz. Fui consultar meu guru Sai Baba (esse é outro) para ver se conseguia uma palavra de sabedoria. Encontrei-o trançando tiras de couro para fazer um cinto. Ele vende esses objetos na feira de artesanato de Itaim Bibi. É uma feira como muitas outras. Mas essa é muito, Muito chique!

    Ajoelhei-me diante dele, imediatamente assumindo a posição do “aprendiz claudicante”. É uma posição muito difícil, que só quem já está no terceiro dan consegue fazer. Enfim, contei para ele o meu problema e aguardei pacientemente que ele me dissesse algo, o que demorou mais de 20 minutos. Ele não quis parar de trançar as tiras de couro porque podia perder o fio da meada.

    Finalmente, ele encaixou a fivela, colocou o cinto estendido no chão, olhou para mim e disse:

    – Gafanhoto, o que você vê?

    – Vejo um cinto, mestre. E muito bonito por sinal. Quanto é?

    – Duzentos reais. Divido no cartão.

    Foi o suficiente para mim. Entendi o que o meu sábio mestre quis dizer. Devo ligar pra concessionária de energia e dividir o atrasado no cartão. Gênio!

    Quando já estava me levantando, vi que ele, de alguma forma, tinha pegado o meu cartão e passado na maquininha. Fiquei sem limite. Mas agora tenho um cinto lindão!

    E agora, nossa iluminação diária: ponha a cabeça para trás, relaxe, revire os olhos, tente não rir.

    Conta-se que, certa vez, um homem chegara em casa e encontrara sua esposa arfando na cama. Aflito, pois sabia dos fortíssimos ataques de asma que sua querida esposa costumava ter, correu até o armário para pegar o remédio. Quando abriu a porta do armário, o homem ficou surpreso ao encontrar o marcineiro. Sem roupas. O marcineiro falou que estava dando uns retoques na parte do fundo e, como o calor era forte, acabou por tirar suas vestes.

    Possesso, o homem tentou jogar o marceneiro pela janela do 14º andar, mas foi contido por sua mulher que, àquela altura, já tinha se curado da asma. Ela se postou no caminho da janela e, gritando como quem quer acordar o Senhor, disse que era o marceneiro quem pagava a faculdade dos gêmeos. Ciente do valor cobrado hoje em dia, o homem serviu um cafezinho.

    Iluminação do dia: Se você não tiver certeza de como suas contas são pagas, é melhor aprender a fazer café.

    [ssba]

    Iluminação com Baba (4)

    Iluminação com Baba (4)

    Por Baba Nabaatha

    ABC. O Pelé que em mim habita, saúda o Pelé que habita em você.

    Cortaram minha luz. Fui consultar meu guru Sai Baba (esse é outro) para ver se conseguia uma palavra de sabedoria. Encontrei-o trançando tiras de couro para fazer um cinto. Ele vende esses objetos na feira de artesanato de Itaim Bibi. É uma feira como muitas outras. Mas essa é muito, Muito chique!

    Ajoelhei-me diante dele, imediatamente assumindo a posição do “aprendiz claudicante”. É uma posição muito difícil, que só quem já está no terceiro dan consegue fazer. Enfim, contei para ele o meu problema e aguardei pacientemente que ele me dissesse algo, o que demorou mais de 20 minutos. Ele não quis parar de trançar as tiras de couro porque podia perder o fio da meada.

    Finalmente, ele encaixou a fivela, colocou o cinto estendido no chão, olhou para mim e disse:

    – Gafanhoto, o que você vê?

    – Vejo um cinto, mestre. E muito bonito por sinal. Quanto é?

    – Duzentos reais. Divido no cartão.

    Foi o suficiente para mim. Entendi o que o meu sábio mestre quis dizer. Devo ligar pra concessionária de energia e dividir o atrasado no cartão. Gênio!

    Quando já estava me levantando, vi que ele, de alguma forma, tinha pegado o meu cartão e passado na maquininha. Fiquei sem limite. Mas agora tenho um cinto lindão!

    E agora, nossa iluminação diária: ponha a cabeça para trás, relaxe, revire os olhos, tente não rir.

    Conta-se que, certa vez, um homem chegara em casa e encontrara sua esposa arfando na cama. Aflito, pois sabia dos fortíssimos ataques de asma que sua querida esposa costumava ter, correu até o armário para pegar o remédio. Quando abriu a porta do armário, o homem ficou surpreso ao encontrar o marcineiro. Sem roupas. O marcineiro falou que estava dando uns retoques na parte do fundo e, como o calor era forte, acabou por tirar suas vestes.

    Possesso, o homem tentou jogar o marceneiro pela janela do 14º andar, mas foi contido por sua mulher que, àquela altura, já tinha se curado da asma. Ela se postou no caminho da janela e, gritando como quem quer acordar o Senhor, disse que era o marceneiro quem pagava a faculdade dos gêmeos. Ciente do valor cobrado hoje em dia, o homem serviu um cafezinho.

    Iluminação do dia: Se você não tiver certeza de como suas contas são pagas, é melhor aprender a fazer café.

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/iluminacao-com-baba-4/"]

    10 coisas que você pode fazer antes do fim do mundo…

    O mundo vai acabar dia 23! De novo!!!

     

    1. Gastar todo o limite do seu cartão de crédito.

    2. Mandar seu chefe ir plantar batatas.

    3. Andar de bicicleta na marginal Tietê fazendo gestos obscenos para os outros motoristas.

    4. Entrar em bar de Hells Angels e dizer que todo mundo ali é viado (recomendável fazer só no último minuto do mundo).

    5. Finalmente fazer aquela operação plástica que o médico te prometeu que você ia ficar igualzinho a Brad Pitt.

    6. Ligar pra toda família e dizer que a partir de agora você quer ser chamado de Loretta (se você for homem) ou de Adamastor (se for mulher) ou de Pablo Vittar (se você não souber).

    7. Ir num puteiro e engravidar todas as putas.

    8. Virar puta e se engravidar num puteiro.

    9. Ligar para o Trump se passando por Kim Jong-Un e dizer que ele tem um cabelo escroto e que não é homem pra bombardear a Coréia.

    10. Ligar para o Trump se passando por Temer e dizer que ele tem um cabelo escroto e que não é homem pra bombardear a Congresso.

     

    …E duas que você não pode fazer nem que o mundo acabe.

     

    1. Admitir que gosta de Weslley Safadão.

    2. Curar gays.

    10 coisas que você pode fazer antes do fim do mundo…

    O mundo vai acabar dia 23! De novo!!!

     

    1. Gastar todo o limite do seu cartão de crédito.

    2. Mandar seu chefe ir plantar batatas.

    3. Andar de bicicleta na marginal Tietê fazendo gestos obscenos para os outros motoristas.

    4. Entrar em bar de Hells Angels e dizer que todo mundo ali é viado (recomendável fazer só no último minuto do mundo).

    5. Finalmente fazer aquela operação plástica que o médico te prometeu que você ia ficar igualzinho a Brad Pitt.

    6. Ligar pra toda família e dizer que a partir de agora você quer ser chamado de Loretta (se você for homem) ou de Adamastor (se for mulher) ou de Pablo Vittar (se você não souber).

    7. Ir num puteiro e engravidar todas as putas.

    8. Virar puta e se engravidar num puteiro.

    9. Ligar para o Trump se passando por Kim Jong-Un e dizer que ele tem um cabelo escroto e que não é homem pra bombardear a Coréia.

    10. Ligar para o Trump se passando por Temer e dizer que ele tem um cabelo escroto e que não é homem pra bombardear a Congresso.

     

    …E duas que você não pode fazer nem que o mundo acabe.

     

    1. Admitir que gosta de Weslley Safadão.

    2. Curar gays.

    [ssba]

    10 coisas que você pode fazer antes do fim do mundo…

    O mundo vai acabar dia 23! De novo!!!

     

    1. Gastar todo o limite do seu cartão de crédito.

    2. Mandar seu chefe ir plantar batatas.

    3. Andar de bicicleta na marginal Tietê fazendo gestos obscenos para os outros motoristas.

    4. Entrar em bar de Hells Angels e dizer que todo mundo ali é viado (recomendável fazer só no último minuto do mundo).

    5. Finalmente fazer aquela operação plástica que o médico te prometeu que você ia ficar igualzinho a Brad Pitt.

    6. Ligar pra toda família e dizer que a partir de agora você quer ser chamado de Loretta (se você for homem) ou de Adamastor (se for mulher) ou de Pablo Vittar (se você não souber).

    7. Ir num puteiro e engravidar todas as putas.

    8. Virar puta e se engravidar num puteiro.

    9. Ligar para o Trump se passando por Kim Jong-Un e dizer que ele tem um cabelo escroto e que não é homem pra bombardear a Coréia.

    10. Ligar para o Trump se passando por Temer e dizer que ele tem um cabelo escroto e que não é homem pra bombardear a Congresso.

     

    …E duas que você não pode fazer nem que o mundo acabe.

     

    1. Admitir que gosta de Weslley Safadão.

    2. Curar gays.

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/10-coisas-que-voce-pode-fazer-antes-do-fim-do-mundo/"]

    Iluminação com Baba (3)

    Por Baba Nabaatha

    Pererê. O saci que habita em mim, saúda o saci que habita em você.

    Conheci meu guru Sai Baba (esse é outro) no shopping de Itaim Bibi, numa quarta a tarde. Ele vestia apenas sua túnica branca e uma sandália de couro um tanto gasta, mas ainda assim impressionante em sua simplicidade. Uma luz azul muito bonita emanava daquela figura etérea enquanto ele comprava um saco de pipocas. Com o canto dos olhos, ele me notou ali parado e pediu o sal.

    De imediato reconheci nele a pessoa que a partir dali me guiaria no meu caminho espiritual. Embasbacado pela sua presença, balbuciei “mestre” e esperei por uma palavra, uma migalha que fosse de sua sabedoria. E foi então que ele me olhou direto nos meus olhos e disse aquela frase que nunca mais esquecerei:

    – É uma merda ir ao cinema quando você brilha azul.

    Lindo…

    Prontos para nossa iluminação? Inspire… Expire… Inspire… Expire…

    Um lobo viu uma cabra pastando em cima de um rochedo escarpado e, como não tinha condições de subir até lá, resolveu convencer a cabra a vir mais para baixo.

    – Minha senhora, que perigo! – disse ele numa voz amistosa. – Não seja imprudente, desça daí! Aqui embaixo está cheio de comida, uma comida muito mais gostosa.

    Mas a cabra conhecia os truques do esperto lobo.

    – Para o senhor, tanto faz se a relva que eu como é boa ou ruim! O que o senhor quer é me comer! E eu só dou depois do terceiro encontro. Sou uma cabra de família!

    Iluminação do dia: Não caia em qualquer cantada barata. Verifique antes se o lobo tem pelo menos um fusca e uma poupança da Caixa.

    Iluminação com Baba (3)

    Por Baba Nabaatha

    Pererê. O saci que habita em mim, saúda o saci que habita em você.

    Conheci meu guru Sai Baba (esse é outro) no shopping de Itaim Bibi, numa quarta a tarde. Ele vestia apenas sua túnica branca e uma sandália de couro um tanto gasta, mas ainda assim impressionante em sua simplicidade. Uma luz azul muito bonita emanava daquela figura etérea enquanto ele comprava um saco de pipocas. Com o canto dos olhos, ele me notou ali parado e pediu o sal.

    De imediato reconheci nele a pessoa que a partir dali me guiaria no meu caminho espiritual. Embasbacado pela sua presença, balbuciei “mestre” e esperei por uma palavra, uma migalha que fosse de sua sabedoria. E foi então que ele me olhou direto nos meus olhos e disse aquela frase que nunca mais esquecerei:

    – É uma merda ir ao cinema quando você brilha azul.

    Lindo…

    Prontos para nossa iluminação? Inspire… Expire… Inspire… Expire…

    Um lobo viu uma cabra pastando em cima de um rochedo escarpado e, como não tinha condições de subir até lá, resolveu convencer a cabra a vir mais para baixo.

    – Minha senhora, que perigo! – disse ele numa voz amistosa. – Não seja imprudente, desça daí! Aqui embaixo está cheio de comida, uma comida muito mais gostosa.

    Mas a cabra conhecia os truques do esperto lobo.

    – Para o senhor, tanto faz se a relva que eu como é boa ou ruim! O que o senhor quer é me comer! E eu só dou depois do terceiro encontro. Sou uma cabra de família!

    Iluminação do dia: Não caia em qualquer cantada barata. Verifique antes se o lobo tem pelo menos um fusca e uma poupança da Caixa.

    [ssba]

    Iluminação com Baba (3)

    Iluminação com Baba (3)

    Por Baba Nabaatha

    Pererê. O saci que habita em mim, saúda o saci que habita em você.

    Conheci meu guru Sai Baba (esse é outro) no shopping de Itaim Bibi, numa quarta a tarde. Ele vestia apenas sua túnica branca e uma sandália de couro um tanto gasta, mas ainda assim impressionante em sua simplicidade. Uma luz azul muito bonita emanava daquela figura etérea enquanto ele comprava um saco de pipocas. Com o canto dos olhos, ele me notou ali parado e pediu o sal.

    De imediato reconheci nele a pessoa que a partir dali me guiaria no meu caminho espiritual. Embasbacado pela sua presença, balbuciei “mestre” e esperei por uma palavra, uma migalha que fosse de sua sabedoria. E foi então que ele me olhou direto nos meus olhos e disse aquela frase que nunca mais esquecerei:

    – É uma merda ir ao cinema quando você brilha azul.

    Lindo…

    Prontos para nossa iluminação? Inspire… Expire… Inspire… Expire…

    Um lobo viu uma cabra pastando em cima de um rochedo escarpado e, como não tinha condições de subir até lá, resolveu convencer a cabra a vir mais para baixo.

    – Minha senhora, que perigo! – disse ele numa voz amistosa. – Não seja imprudente, desça daí! Aqui embaixo está cheio de comida, uma comida muito mais gostosa.

    Mas a cabra conhecia os truques do esperto lobo.

    – Para o senhor, tanto faz se a relva que eu como é boa ou ruim! O que o senhor quer é me comer! E eu só dou depois do terceiro encontro. Sou uma cabra de família!

    Iluminação do dia: Não caia em qualquer cantada barata. Verifique antes se o lobo tem pelo menos um fusca e uma poupança da Caixa.

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/iluminacao-com-baba-3/"]

    Iluminação com Baba (2)

    Por Baba Nabaatha

    Nãomaistê. O mendigo que habita em mim, saúda o mendigo que habita em você.

    Desde o nosso último encontro, descobri algumas coisas. Uma é que, apesar de agora fazer jornada dupla, vou continuar não recebendo. Mas ganhei um aumento na ração diária de banana. Recebo duas bananas e meia agora, o que causou certa inveja. Ainda não sei como pagar a conta de luz. Por enquanto, nossa iluminação vai à vela mesmo.

    Agora respire fundo, relaxe, entoe o mantra “tofu, tofu, tofu…” e vamos à nossa iluminação do dia:

    Um leão, cansado de tanto caçar, dormia espichado debaixo da sombra boa de uma árvore.
    Vieram uns ratinhos passear em cima dele e ele acordou.
    Todos conseguiram fugir, menos um, que o leão prendeu debaixo da pata.
    Tanto o ratinho pediu e implorou que o leão desistiu de esmagá-lo e deixou que fosse embora.

    Algum tempo depois o leão ficou preso na rede de uns caçadores.
    Não conseguindo se soltar, fazia a floresta inteira tremer com seus urros de raiva.

    Nisso apareceu o ratinho, filho duma égua. que riu pra cacete do leão e juntou os outros ratos para fazer uma festa em volta do seu corpo.

    Iluminação do dia: sempre que você pegar um rato, coma-o e deixe os seus restos espetados em uma estaca para servir de exemplo aos outros.

    Iluminação com Baba (2)

    Por Baba Nabaatha

    Nãomaistê. O mendigo que habita em mim, saúda o mendigo que habita em você.

    Desde o nosso último encontro, descobri algumas coisas. Uma é que, apesar de agora fazer jornada dupla, vou continuar não recebendo. Mas ganhei um aumento na ração diária de banana. Recebo duas bananas e meia agora, o que causou certa inveja. Ainda não sei como pagar a conta de luz. Por enquanto, nossa iluminação vai à vela mesmo.

    Agora respire fundo, relaxe, entoe o mantra “tofu, tofu, tofu…” e vamos à nossa iluminação do dia:

    Um leão, cansado de tanto caçar, dormia espichado debaixo da sombra boa de uma árvore.
    Vieram uns ratinhos passear em cima dele e ele acordou.
    Todos conseguiram fugir, menos um, que o leão prendeu debaixo da pata.
    Tanto o ratinho pediu e implorou que o leão desistiu de esmagá-lo e deixou que fosse embora.

    Algum tempo depois o leão ficou preso na rede de uns caçadores.
    Não conseguindo se soltar, fazia a floresta inteira tremer com seus urros de raiva.

    Nisso apareceu o ratinho, filho duma égua. que riu pra cacete do leão e juntou os outros ratos para fazer uma festa em volta do seu corpo.

    Iluminação do dia: sempre que você pegar um rato, coma-o e deixe os seus restos espetados em uma estaca para servir de exemplo aos outros.

    [ssba]

    Iluminação com Baba (2)

    Iluminação com Baba (2)

    Por Baba Nabaatha

    Nãomaistê. O mendigo que habita em mim, saúda o mendigo que habita em você.

    Desde o nosso último encontro, descobri algumas coisas. Uma é que, apesar de agora fazer jornada dupla, vou continuar não recebendo. Mas ganhei um aumento na ração diária de banana. Recebo duas bananas e meia agora, o que causou certa inveja. Ainda não sei como pagar a conta de luz. Por enquanto, nossa iluminação vai à vela mesmo.

    Agora respire fundo, relaxe, entoe o mantra “tofu, tofu, tofu…” e vamos à nossa iluminação do dia:

    Um leão, cansado de tanto caçar, dormia espichado debaixo da sombra boa de uma árvore.
    Vieram uns ratinhos passear em cima dele e ele acordou.
    Todos conseguiram fugir, menos um, que o leão prendeu debaixo da pata.
    Tanto o ratinho pediu e implorou que o leão desistiu de esmagá-lo e deixou que fosse embora.

    Algum tempo depois o leão ficou preso na rede de uns caçadores.
    Não conseguindo se soltar, fazia a floresta inteira tremer com seus urros de raiva.

    Nisso apareceu o ratinho, filho duma égua. que riu pra cacete do leão e juntou os outros ratos para fazer uma festa em volta do seu corpo.

    Iluminação do dia: sempre que você pegar um rato, coma-o e deixe os seus restos espetados em uma estaca para servir de exemplo aos outros.

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/iluminacao-com-baba-2/"]

    10 NOMES DE POBRE PRO FILHX DO ORELHA DE VAN GOGH

    Hoje, nossa mais recente contratação e amigo Orelha de Van Gogh vai ser papai.

    Quando perguntamos se ia ser menino ou menina, Orelha, um ser muito mais evoluído que nós, respondeu: “Estou enojado com essa pergunta. Ora, é a própria criança quem vai decidir isso, quando tiver idade suficiente para entender essas coisas. Três anos no mínimo. Sou responsável!”

    De qualquer forma, nós do RdB decidimos dar uma força na escolha de um nome pro petiz. Orelha é moderno, mas também é cartunista e, portanto, pobre. Então, aqui vão

     

    10 NOMES DE POBRE PRO FILHX DO ORELHA…

     

    1. Wandergleyson

    2. Synara Aparecida

    3. Bredipítisson

    4. Kellen Crystynna

    5. Maycon / Maiconsuel

    6. Jéssyka Geissianni

    7. Dionlenno

    8. Ewellynn Quetlen Kinberly

    9. Edson Aran

    10. Britinei Ispýars

     

    …E DOIS QUE PASSAM DOS LIMITES.

     

    1. Thor

    2. Olin

     

    Boa sorte, Orelha! Que venha com saúde e parecidx com a mãe.

    10 NOMES DE POBRE PRO FILHX DO ORELHA DE VAN GOGH

    Hoje, nossa mais recente contratação e amigo Orelha de Van Gogh vai ser papai.

    Quando perguntamos se ia ser menino ou menina, Orelha, um ser muito mais evoluído que nós, respondeu: “Estou enojado com essa pergunta. Ora, é a própria criança quem vai decidir isso, quando tiver idade suficiente para entender essas coisas. Três anos no mínimo. Sou responsável!”

    De qualquer forma, nós do RdB decidimos dar uma força na escolha de um nome pro petiz. Orelha é moderno, mas também é cartunista e, portanto, pobre. Então, aqui vão

     

    10 NOMES DE POBRE PRO FILHX DO ORELHA…

     

    1. Wandergleyson

    2. Synara Aparecida

    3. Bredipítisson

    4. Kellen Crystynna

    5. Maycon / Maiconsuel

    6. Jéssyka Geissianni

    7. Dionlenno

    8. Ewellynn Quetlen Kinberly

    9. Edson Aran

    10. Britinei Ispýars

     

    …E DOIS QUE PASSAM DOS LIMITES.

     

    1. Thor

    2. Olin

     

    Boa sorte, Orelha! Que venha com saúde e parecidx com a mãe.

    [ssba]

    10 NOMES DE POBRE PRO FILHX DO ORELHA DE VAN GOGH

    Hoje, nossa mais recente contratação e amigo Orelha de Van Gogh vai ser papai.

    Quando perguntamos se ia ser menino ou menina, Orelha, um ser muito mais evoluído que nós, respondeu: “Estou enojado com essa pergunta. Ora, é a própria criança quem vai decidir isso, quando tiver idade suficiente para entender essas coisas. Três anos no mínimo. Sou responsável!”

    De qualquer forma, nós do RdB decidimos dar uma força na escolha de um nome pro petiz. Orelha é moderno, mas também é cartunista e, portanto, pobre. Então, aqui vão

     

    10 NOMES DE POBRE PRO FILHX DO ORELHA…

     

    1. Wandergleyson

    2. Synara Aparecida

    3. Bredipítisson

    4. Kellen Crystynna

    5. Maycon / Maiconsuel

    6. Jéssyka Geissianni

    7. Dionlenno

    8. Ewellynn Quetlen Kinberly

    9. Edson Aran

    10. Britinei Ispýars

     

    …E DOIS QUE PASSAM DOS LIMITES.

     

    1. Thor

    2. Olin

     

    Boa sorte, Orelha! Que venha com saúde e parecidx com a mãe.

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/10-nomes-de-pobre-pro-filhx-do-orelha-de-van-gogh/"]

    Anão é preso por ejacular em mini-van

    Depois do punheteiro do ônibus, anão é preso por ejacular na canela das pessoas em vans de transporte. Ele foi encaminhado ao tribunal de pequenas causas, mas, como no caso mais famoso, já foi liberado. Segundo o juiz, a soltura se deu por que o dano causado não foi considerado grande o suficiente, e ter sido um constrangimento menor.

    Em ambos os casos, a pergunta que não quer calar é como esses caras batem punheta sem ninguém perceber?

    Anão é preso por ejacular em mini-van

    Depois do punheteiro do ônibus, anão é preso por ejacular na canela das pessoas em vans de transporte. Ele foi encaminhado ao tribunal de pequenas causas, mas, como no caso mais famoso, já foi liberado. Segundo o juiz, a soltura se deu por que o dano causado não foi considerado grande o suficiente, e ter sido um constrangimento menor.

    Em ambos os casos, a pergunta que não quer calar é como esses caras batem punheta sem ninguém perceber?

    [ssba]

    Anão é preso por ejacular em mini-van

    Depois do punheteiro do ônibus, anão é preso por ejacular na canela das pessoas em vans de transporte. Ele foi encaminhado ao tribunal de pequenas causas, mas, como no caso mais famoso, já foi liberado. Segundo o juiz, a soltura se deu por que o dano causado não foi considerado grande o suficiente, e ter sido um constrangimento menor.

    Em ambos os casos, a pergunta que não quer calar é como esses caras batem punheta sem ninguém perceber?

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/anao-e-preso-por-ejacular-em-mini-van/"]

    Fufuca não faz fufuca nenhuma!

     

    A primeira sessão da Câmara dos Deputados presidida por Fufuca, não deu em nada.

    Nenhuma fufuca foi votada, e os deputados não entraram em acordo sobre qual fufuca colocar em votação. Alguns deputados ainda fufucavam pelos cantos do plenário, quando Fufuca convocou para uma última tentativa de fufuca, mas não obteve êxito.

    – É difícil. Estamos tentando colocar fufucas para votação, mas o deputados não entram em fufuca sobre quais fufucas podem ser fufucadas. Espero que até a volta do presidente, que está em fufuca na China, a gente possa discutir fufucas ou até fufucas, já que nós, deputados, precisamos mostrar fufuca para os eleitores, que esperam de nós mais fufucas do que temos fufucado. – Declarou Fufuca para uma turma de fufucadores de vários jornais.

    Ainda está reservada mais uma data onde os deputados fufucarão as fufucas e tentarão fufucar a fufucaiada mesmo que seja por margem apertada de fufucas.

    Fufuca.

    Fufuca não faz fufuca nenhuma!

     

    A primeira sessão da Câmara dos Deputados presidida por Fufuca, não deu em nada.

    Nenhuma fufuca foi votada, e os deputados não entraram em acordo sobre qual fufuca colocar em votação. Alguns deputados ainda fufucavam pelos cantos do plenário, quando Fufuca convocou para uma última tentativa de fufuca, mas não obteve êxito.

    – É difícil. Estamos tentando colocar fufucas para votação, mas o deputados não entram em fufuca sobre quais fufucas podem ser fufucadas. Espero que até a volta do presidente, que está em fufuca na China, a gente possa discutir fufucas ou até fufucas, já que nós, deputados, precisamos mostrar fufuca para os eleitores, que esperam de nós mais fufucas do que temos fufucado. – Declarou Fufuca para uma turma de fufucadores de vários jornais.

    Ainda está reservada mais uma data onde os deputados fufucarão as fufucas e tentarão fufucar a fufucaiada mesmo que seja por margem apertada de fufucas.

    Fufuca.

    [ssba]

    Fufuca não faz fufuca nenhuma!

    Fufuca não faz fufuca nenhuma!

     

    A primeira sessão da Câmara dos Deputados presidida por Fufuca, não deu em nada.

    Nenhuma fufuca foi votada, e os deputados não entraram em acordo sobre qual fufuca colocar em votação. Alguns deputados ainda fufucavam pelos cantos do plenário, quando Fufuca convocou para uma última tentativa de fufuca, mas não obteve êxito.

    – É difícil. Estamos tentando colocar fufucas para votação, mas o deputados não entram em fufuca sobre quais fufucas podem ser fufucadas. Espero que até a volta do presidente, que está em fufuca na China, a gente possa discutir fufucas ou até fufucas, já que nós, deputados, precisamos mostrar fufuca para os eleitores, que esperam de nós mais fufucas do que temos fufucado. – Declarou Fufuca para uma turma de fufucadores de vários jornais.

    Ainda está reservada mais uma data onde os deputados fufucarão as fufucas e tentarão fufucar a fufucaiada mesmo que seja por margem apertada de fufucas.

    Fufuca.

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/fufuca-nao-faz-fufuca-nenhuma/"]

    Iluminação com Baba (1)

    Por Baba Nabaatha

    Namastê. A Lombriga que em mim habita, saúda a lombriga que habita em você.

    Olá. Meu nome é Túlio Andrade. Você deve se lembrar de mim em textos como “10 Posições Eróticas Recomendadas para Cléo Pires”  e “Cinco Poemas Revisitados Pelo Drummond de Bronze” .

    Apesar de trabalhar aqui no RdB, sempre me interessei pela meditação e pelo misticismo. Mas só comecei meus estudos com seriedade quando encontrei meu guru, Sai Baba (esse é outro), em um shopping no Itaim Bibi. Ele havia encontrado a iluminação depois de ouvir a música “Baba O’Riley” continua e ininterruptamente por 14 dias, enquanto meditava e jejuava. Consumia apenas gotas de LSD ministradas regularmente. Passei então a segui-lo – o que é difícil pois o véio anda pra cacete – assumi que sou indiano e adotei o nome de Baba Nabaatha.

    Eu ainda não atingi a iluminação. Desconfio que cortaram. Meu caminho é longo, eu sei. De qualquer forma, recebi a missão de guiar os nossos leitores, todos os seis, no caminho da iluminação. “Desse jeito – disse o Aran, nosso chefe – talvez eles parem de nos xingar na área de comentários.” Apesar de não compartilhar essa visão romântica, resolvi aceitar o desafio, porque tenho contas a pagar. Inclusive a de luz. Então aqui vai o meu primeiro ensinamento:

    Uma formiga que morde o dedo pequeno do pé, pode facilmente morder outra área mais sensível. Conta-se que o homem, cansado das atribulações da vida moderna, sentiu necessidade de tirar umas férias e entrar em harmonia com a natureza. O homem, então, foi para as montanhas inabitadas de Petrópolis, desnudou-se e lambuzou a piroca com o mais puro mel. Então, ele tentou fazer amor com um formigueiro. Hoje ele se chama Samantha.

    Iluminação do dia: nunca enfie sua piroca lambuzada de mel em um formigueiro. Você não vai alcançar a paz e ainda vai dar um trabalhão para mudar seus documentos.

    Iluminação com Baba (1)

    Por Baba Nabaatha

    Namastê. A Lombriga que em mim habita, saúda a lombriga que habita em você.

    Olá. Meu nome é Túlio Andrade. Você deve se lembrar de mim em textos como “10 Posições Eróticas Recomendadas para Cléo Pires”  e “Cinco Poemas Revisitados Pelo Drummond de Bronze” .

    Apesar de trabalhar aqui no RdB, sempre me interessei pela meditação e pelo misticismo. Mas só comecei meus estudos com seriedade quando encontrei meu guru, Sai Baba (esse é outro), em um shopping no Itaim Bibi. Ele havia encontrado a iluminação depois de ouvir a música “Baba O’Riley” continua e ininterruptamente por 14 dias, enquanto meditava e jejuava. Consumia apenas gotas de LSD ministradas regularmente. Passei então a segui-lo – o que é difícil pois o véio anda pra cacete – assumi que sou indiano e adotei o nome de Baba Nabaatha.

    Eu ainda não atingi a iluminação. Desconfio que cortaram. Meu caminho é longo, eu sei. De qualquer forma, recebi a missão de guiar os nossos leitores, todos os seis, no caminho da iluminação. “Desse jeito – disse o Aran, nosso chefe – talvez eles parem de nos xingar na área de comentários.” Apesar de não compartilhar essa visão romântica, resolvi aceitar o desafio, porque tenho contas a pagar. Inclusive a de luz. Então aqui vai o meu primeiro ensinamento:

    Uma formiga que morde o dedo pequeno do pé, pode facilmente morder outra área mais sensível. Conta-se que o homem, cansado das atribulações da vida moderna, sentiu necessidade de tirar umas férias e entrar em harmonia com a natureza. O homem, então, foi para as montanhas inabitadas de Petrópolis, desnudou-se e lambuzou a piroca com o mais puro mel. Então, ele tentou fazer amor com um formigueiro. Hoje ele se chama Samantha.

    Iluminação do dia: nunca enfie sua piroca lambuzada de mel em um formigueiro. Você não vai alcançar a paz e ainda vai dar um trabalhão para mudar seus documentos.

    [ssba]

    Iluminação com Baba (1)

    Iluminação com Baba (1)

    Por Baba Nabaatha

    Namastê. A Lombriga que em mim habita, saúda a lombriga que habita em você.

    Olá. Meu nome é Túlio Andrade. Você deve se lembrar de mim em textos como “10 Posições Eróticas Recomendadas para Cléo Pires”  e “Cinco Poemas Revisitados Pelo Drummond de Bronze” .

    Apesar de trabalhar aqui no RdB, sempre me interessei pela meditação e pelo misticismo. Mas só comecei meus estudos com seriedade quando encontrei meu guru, Sai Baba (esse é outro), em um shopping no Itaim Bibi. Ele havia encontrado a iluminação depois de ouvir a música “Baba O’Riley” continua e ininterruptamente por 14 dias, enquanto meditava e jejuava. Consumia apenas gotas de LSD ministradas regularmente. Passei então a segui-lo – o que é difícil pois o véio anda pra cacete – assumi que sou indiano e adotei o nome de Baba Nabaatha.

    Eu ainda não atingi a iluminação. Desconfio que cortaram. Meu caminho é longo, eu sei. De qualquer forma, recebi a missão de guiar os nossos leitores, todos os seis, no caminho da iluminação. “Desse jeito – disse o Aran, nosso chefe – talvez eles parem de nos xingar na área de comentários.” Apesar de não compartilhar essa visão romântica, resolvi aceitar o desafio, porque tenho contas a pagar. Inclusive a de luz. Então aqui vai o meu primeiro ensinamento:

    Uma formiga que morde o dedo pequeno do pé, pode facilmente morder outra área mais sensível. Conta-se que o homem, cansado das atribulações da vida moderna, sentiu necessidade de tirar umas férias e entrar em harmonia com a natureza. O homem, então, foi para as montanhas inabitadas de Petrópolis, desnudou-se e lambuzou a piroca com o mais puro mel. Então, ele tentou fazer amor com um formigueiro. Hoje ele se chama Samantha.

    Iluminação do dia: nunca enfie sua piroca lambuzada de mel em um formigueiro. Você não vai alcançar a paz e ainda vai dar um trabalhão para mudar seus documentos.

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/iluminacao-com-baba-1/"]

    11 nomes de deputados federais tão Fufuca quanto…

     

    1. Tiririca

    2. Givaldo Carimbão

    3. Cleber Verde

    4. Beto Salame

    5. Fabinho Liderança

    6. Chapadinha

    7. Kaio Maniçoba

    8. Luiz Carlos Ramos do Chapéu

    9. Abel Galinha

    10. Remídio da Amatur

    11. Júnior Marreca

     

    …E dois ainda piores.

    1. Sarney Filho

    2. Zeca Dirceu

    11 nomes de deputados federais tão Fufuca quanto…

     

    1. Tiririca

    2. Givaldo Carimbão

    3. Cleber Verde

    4. Beto Salame

    5. Fabinho Liderança

    6. Chapadinha

    7. Kaio Maniçoba

    8. Luiz Carlos Ramos do Chapéu

    9. Abel Galinha

    10. Remídio da Amatur

    11. Júnior Marreca

     

    …E dois ainda piores.

    1. Sarney Filho

    2. Zeca Dirceu

    [ssba]

    11 nomes de deputados federais tão Fufuca quanto…

     

    1. Tiririca

    2. Givaldo Carimbão

    3. Cleber Verde

    4. Beto Salame

    5. Fabinho Liderança

    6. Chapadinha

    7. Kaio Maniçoba

    8. Luiz Carlos Ramos do Chapéu

    9. Abel Galinha

    10. Remídio da Amatur

    11. Júnior Marreca

     

    …E dois ainda piores.

    1. Sarney Filho

    2. Zeca Dirceu

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/10-nomes-de-deputados-federais-tao-fufuca-quanto/"]

    Cinco poemas revisitados pelo Drummond de Bronze

    1.

    Quando nasci, um anjo torto
    desses que vivem na sombra
    disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.
    E cagou na minha cabeça…

    2.
    João amava Teresa que amava Raimundo
    que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili,
    que bebeu demais e ficou conversando comigo de madrugada.

    3.
    Na face da estátua tinha um óculos
    tinha um óculos na face da estátua
    tinha
    roubaram

    4.
    Depois de tantos combates
    o anjo bom matou o anjo mau
    e jogou seu corpo no Rio
    a facção rival revidou
    e teve muito tiroteio

    5.
    E agora, Crivela?
    A grana acabou,
    a luz aumentou,
    o povo tá puto,
    a noite esfriou,
    e agora, Crivela?
    e agora, Pezão?
    Você que é sem nome,
    que zomba dos outros,
    Você que faz merda,
    que atrasa os salários?
    e agora, Pezão?

    Cinco poemas revisitados pelo Drummond de Bronze

    1.

    Quando nasci, um anjo torto
    desses que vivem na sombra
    disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.
    E cagou na minha cabeça…

    2.
    João amava Teresa que amava Raimundo
    que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili,
    que bebeu demais e ficou conversando comigo de madrugada.

    3.
    Na face da estátua tinha um óculos
    tinha um óculos na face da estátua
    tinha
    roubaram

    4.
    Depois de tantos combates
    o anjo bom matou o anjo mau
    e jogou seu corpo no Rio
    a facção rival revidou
    e teve muito tiroteio

    5.
    E agora, Crivela?
    A grana acabou,
    a luz aumentou,
    o povo tá puto,
    a noite esfriou,
    e agora, Crivela?
    e agora, Pezão?
    Você que é sem nome,
    que zomba dos outros,
    Você que faz merda,
    que atrasa os salários?
    e agora, Pezão?

    [ssba]

    Cinco poemas revisitados pelo Drummond de Bronze

    1.

    Quando nasci, um anjo torto
    desses que vivem na sombra
    disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.
    E cagou na minha cabeça…

    2.
    João amava Teresa que amava Raimundo
    que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili,
    que bebeu demais e ficou conversando comigo de madrugada.

    3.
    Na face da estátua tinha um óculos
    tinha um óculos na face da estátua
    tinha
    roubaram

    4.
    Depois de tantos combates
    o anjo bom matou o anjo mau
    e jogou seu corpo no Rio
    a facção rival revidou
    e teve muito tiroteio

    5.
    E agora, Crivela?
    A grana acabou,
    a luz aumentou,
    o povo tá puto,
    a noite esfriou,
    e agora, Crivela?
    e agora, Pezão?
    Você que é sem nome,
    que zomba dos outros,
    Você que faz merda,
    que atrasa os salários?
    e agora, Pezão?

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/cinco-poemas-revisitados-pelo-drummond-de-bronze/"]

    EM BUSCA DO MEME PERDIDO (20 – FINAL)

    No capítulo anterior, o governo tinha perdoado a dívida de três países africanos, 7 empresas multinacionais, 340 deputados e senadores e eu estava sem um puto pra pagar o cartão de crédito.

     

    EM BUSCA DO MEME PERDIDO – CAPÍTULO 20 – FINAL

     

    Um dia, eu gostaria de acordar bem cedo para ir trabalhar, lembrar que sou rico e dormir o resto da manhã. Esse dia não vai ser hoje. E nem amanhã. Mas pode ser depois de amanhã. Estamos no ataque final ao Meme perdido, o que significa que em breve, vou receber meu obsceno pagamento. E agora, só tenho o Sr. Johnson para pagar. Obrigado monges não necessariamente tibetanos.

    O Sr. Johnson estava com o passo apressado. Ainda estava sentindo a separação forçada com Judith, a burrinha. Eu o seguia. Mesmo apertando o passo, ainda estava dois metros atrás dele. De repente, ele parou e fixou o olhar para frente. Lá estava: a Clínica Para Enfermos de Los Memes. O final da nossa jornada. Finalmente!

    Nos entreolhamos, sorrimos um para o outro e, juntos, partimos em disparada em direção à Clínica. Uma cena bem gay, eu admito. Mas você não pode nos julgar, seu fascista, barista, taxista! Não passarão!!!

    Chegamos à recepção, onde uma senhora muito, muito velha, e muito, muito feia veio nos atender.

    – Estamos aqui em busca do Me…

    – Pegue uma senha. – disse ela, me interrompendo.

    – Não, a senhora não está entendendo. Viemos pelo…

    – Pegue uma senha, e aguarde. Ali atrás, ó. – e apontou uma maquininha que guardava um rolo de senhas.

    Pegamos uma e fomos nos sentar. Senha nº333.

    – Meio besta. – disse eu, com um sorrizinho sacana no canto da boca. Mas o Sr. Johnson não entendeu a piada.

    Ao longe, ouvimos a atendente gritar:

    – Senha nº 64! Senha 64!!

    – Puta que pariu! – Disse um frustrado Sr. Johnson.

    Bem, não temos mais nada a fazer, a não ser esperar. E foi o que fizemos. Nos ajeitamos o melhor que pudemos naquele banco quebrado, e aguardamos. Esperamos um dia e meio. Estávamos acordando quando ouvimos chamar a senha nº332. Éramos os próximos. Ficamos alertas.

    – Senha nº333! 333? Está aí?

    Nos levantamos e corremos até o balcão.

    – Pois não. Qual são os sintomas.

    – Nenhum. Viemos em busca do memê perdido.

    – Ah, tá. Pra isso não precisava de senha.

    Contive a mão do Sr. Johnson que puxava uma faca da cintura.

    – Os senhores podem seguir esse corredor até o final, virar à direita, à esquerda, depois à esquerda de novo, e finalmente à direita. Vão dar de cara com a sala da administração. Lá vocês perguntam de novo.

    Percorremos o circuito indicado e, como ela tinha dito, encontramos a sala da administração. Entramos e uma outra recepcionista, muito parecida com a da entrada, nos atendeu por detrás de um balcão.

    – Pois não?

    – Viemos pelo Memê perdido.

    – Sim. O quê é que tem ele?

    – Estamos em sua busca. Fomos contratados para resgatá-lo e vamos levá-lo conosco, custe o que custar. Portanto, eu te aviso: não tente nos impedir!

    – Eu? Eu não. Ele está aqui, ó. – e apontou para um monte de papéis desleixadamente empilhados. – Vocês querem que eu tire um xerox?

    – Oi? Não… – disse eu atônito, pois esperava mais resistência. Chacoalhei a cabeça para botar meus pensamentos no lugar e exclamei enérgico:

    – Não quero nenhuma cópia! Preciso do original!

    – Tá bom. Toma aqui. São dois e cinquenta.

    – Hein?

    Estava tão aturdido que nem vi o Sr. Johnson tirar umas moedas do bolso e pagar a moça.

    – Essa foi fácil. – disse ele, enquanto pega um e cinquenta de troco.

    Finalmente! Nossa busca terminou! Minha mao tremia segurando aquele pedaço de papel antigo e envelhecido. Com muito cuidado, olhei para ele e finalmente li o que estava escrito. Era horrível. Não tinha nenhuma graça.

    – Mas é isso?!?! – perguntei pra recepcionista.

    – É. Aqui é uma clínica especializada e viciados em memês. A gente usa esse aí para mostrar o quanto o paciente pode estar passando vergonha nas redes. É muito eficaz.

    – Ah, foda-se! Não precisa ser bom. Só preciso entregar a encomenda e receber meu pagamento.

    Peguei os cinquenta centavos de troco do Sr. Johnson e pus num telefone público. Liguei para o bilionário que me contratou para lhe dar as boas novas.

    – Estou com a sua encomenda.

    – Oi? Quem fala?

    – Estou com o Memê Perdido. Custou a vida de dois homens, a deserção de uma boa mulher, um macaco e 14 burrinhos. Mas consegui! Está aqui nas minhas mãos!

    – Ah, o Memê… Tinha esquecido dele. Sobre isso, temos que conversar. Olha só: nesse meio tempo, fui alvo da Operação Upa Neguinho na Estrada, da Polícia Federal. Eles congelaram todos os meus bens e eu tô sem um tostão pra te pagar. Faz o seguinte: vende esse troço aí e fica com a grana.

    E desligou.

    Filho da puta!

    Senti um tapão na nuca. Era Charles o macaco. Me virei e vi Tereza pendurada no braço do monge pirocudo.

    – Ele só queria estar presente pra rir da sua cara.

    Nunca tinha visto um macaco rir. Esse estava histérico. Quando se cansou, Charles subiu no ombro de Tereza que se foi de volta para o templo. Ela também estava rindo.

    Filha da puta!

    Quando me virei, vi o Sr. Johnson. Ele tinha achado Judtih, a burrinha. Veio em direção a mim.

    – Quer dizer que eu não vou receber?

    E me deu um soco que amoleceu uns três dentes.

    – Isso foi pelo meu irmão!

    Me deixou lá, caído no meio da rua poeirenta enquanto ia em direção a um motel com a Judith.

    Filho da puta!

    Ainda aturdido e deitado na poeira, senti uma rajada de vento e o papel escapar dos meus dedos e desaparecer no deserto.

    Que merda! E eu nem me lembrava mais o que estava escrito. Ah, foda-se! Também não queria…

    EM BUSCA DO MEME PERDIDO (20 – FINAL)

    No capítulo anterior, o governo tinha perdoado a dívida de três países africanos, 7 empresas multinacionais, 340 deputados e senadores e eu estava sem um puto pra pagar o cartão de crédito.

     

    EM BUSCA DO MEME PERDIDO – CAPÍTULO 20 – FINAL

     

    Um dia, eu gostaria de acordar bem cedo para ir trabalhar, lembrar que sou rico e dormir o resto da manhã. Esse dia não vai ser hoje. E nem amanhã. Mas pode ser depois de amanhã. Estamos no ataque final ao Meme perdido, o que significa que em breve, vou receber meu obsceno pagamento. E agora, só tenho o Sr. Johnson para pagar. Obrigado monges não necessariamente tibetanos.

    O Sr. Johnson estava com o passo apressado. Ainda estava sentindo a separação forçada com Judith, a burrinha. Eu o seguia. Mesmo apertando o passo, ainda estava dois metros atrás dele. De repente, ele parou e fixou o olhar para frente. Lá estava: a Clínica Para Enfermos de Los Memes. O final da nossa jornada. Finalmente!

    Nos entreolhamos, sorrimos um para o outro e, juntos, partimos em disparada em direção à Clínica. Uma cena bem gay, eu admito. Mas você não pode nos julgar, seu fascista, barista, taxista! Não passarão!!!

    Chegamos à recepção, onde uma senhora muito, muito velha, e muito, muito feia veio nos atender.

    – Estamos aqui em busca do Me…

    – Pegue uma senha. – disse ela, me interrompendo.

    – Não, a senhora não está entendendo. Viemos pelo…

    – Pegue uma senha, e aguarde. Ali atrás, ó. – e apontou uma maquininha que guardava um rolo de senhas.

    Pegamos uma e fomos nos sentar. Senha nº333.

    – Meio besta. – disse eu, com um sorrizinho sacana no canto da boca. Mas o Sr. Johnson não entendeu a piada.

    Ao longe, ouvimos a atendente gritar:

    – Senha nº 64! Senha 64!!

    – Puta que pariu! – Disse um frustrado Sr. Johnson.

    Bem, não temos mais nada a fazer, a não ser esperar. E foi o que fizemos. Nos ajeitamos o melhor que pudemos naquele banco quebrado, e aguardamos. Esperamos um dia e meio. Estávamos acordando quando ouvimos chamar a senha nº332. Éramos os próximos. Ficamos alertas.

    – Senha nº333! 333? Está aí?

    Nos levantamos e corremos até o balcão.

    – Pois não. Qual são os sintomas.

    – Nenhum. Viemos em busca do memê perdido.

    – Ah, tá. Pra isso não precisava de senha.

    Contive a mão do Sr. Johnson que puxava uma faca da cintura.

    – Os senhores podem seguir esse corredor até o final, virar à direita, à esquerda, depois à esquerda de novo, e finalmente à direita. Vão dar de cara com a sala da administração. Lá vocês perguntam de novo.

    Percorremos o circuito indicado e, como ela tinha dito, encontramos a sala da administração. Entramos e uma outra recepcionista, muito parecida com a da entrada, nos atendeu por detrás de um balcão.

    – Pois não?

    – Viemos pelo Memê perdido.

    – Sim. O quê é que tem ele?

    – Estamos em sua busca. Fomos contratados para resgatá-lo e vamos levá-lo conosco, custe o que custar. Portanto, eu te aviso: não tente nos impedir!

    – Eu? Eu não. Ele está aqui, ó. – e apontou para um monte de papéis desleixadamente empilhados. – Vocês querem que eu tire um xerox?

    – Oi? Não… – disse eu atônito, pois esperava mais resistência. Chacoalhei a cabeça para botar meus pensamentos no lugar e exclamei enérgico:

    – Não quero nenhuma cópia! Preciso do original!

    – Tá bom. Toma aqui. São dois e cinquenta.

    – Hein?

    Estava tão aturdido que nem vi o Sr. Johnson tirar umas moedas do bolso e pagar a moça.

    – Essa foi fácil. – disse ele, enquanto pega um e cinquenta de troco.

    Finalmente! Nossa busca terminou! Minha mao tremia segurando aquele pedaço de papel antigo e envelhecido. Com muito cuidado, olhei para ele e finalmente li o que estava escrito. Era horrível. Não tinha nenhuma graça.

    – Mas é isso?!?! – perguntei pra recepcionista.

    – É. Aqui é uma clínica especializada e viciados em memês. A gente usa esse aí para mostrar o quanto o paciente pode estar passando vergonha nas redes. É muito eficaz.

    – Ah, foda-se! Não precisa ser bom. Só preciso entregar a encomenda e receber meu pagamento.

    Peguei os cinquenta centavos de troco do Sr. Johnson e pus num telefone público. Liguei para o bilionário que me contratou para lhe dar as boas novas.

    – Estou com a sua encomenda.

    – Oi? Quem fala?

    – Estou com o Memê Perdido. Custou a vida de dois homens, a deserção de uma boa mulher, um macaco e 14 burrinhos. Mas consegui! Está aqui nas minhas mãos!

    – Ah, o Memê… Tinha esquecido dele. Sobre isso, temos que conversar. Olha só: nesse meio tempo, fui alvo da Operação Upa Neguinho na Estrada, da Polícia Federal. Eles congelaram todos os meus bens e eu tô sem um tostão pra te pagar. Faz o seguinte: vende esse troço aí e fica com a grana.

    E desligou.

    Filho da puta!

    Senti um tapão na nuca. Era Charles o macaco. Me virei e vi Tereza pendurada no braço do monge pirocudo.

    – Ele só queria estar presente pra rir da sua cara.

    Nunca tinha visto um macaco rir. Esse estava histérico. Quando se cansou, Charles subiu no ombro de Tereza que se foi de volta para o templo. Ela também estava rindo.

    Filha da puta!

    Quando me virei, vi o Sr. Johnson. Ele tinha achado Judtih, a burrinha. Veio em direção a mim.

    – Quer dizer que eu não vou receber?

    E me deu um soco que amoleceu uns três dentes.

    – Isso foi pelo meu irmão!

    Me deixou lá, caído no meio da rua poeirenta enquanto ia em direção a um motel com a Judith.

    Filho da puta!

    Ainda aturdido e deitado na poeira, senti uma rajada de vento e o papel escapar dos meus dedos e desaparecer no deserto.

    Que merda! E eu nem me lembrava mais o que estava escrito. Ah, foda-se! Também não queria…

    [ssba]

    EM BUSCA DO MEME PERDIDO (20 – FINAL)

    No capítulo anterior, o governo tinha perdoado a dívida de três países africanos, 7 empresas multinacionais, 340 deputados e senadores e eu estava sem um puto pra pagar o cartão de crédito.

     

    EM BUSCA DO MEME PERDIDO – CAPÍTULO 20 – FINAL

     

    Um dia, eu gostaria de acordar bem cedo para ir trabalhar, lembrar que sou rico e dormir o resto da manhã. Esse dia não vai ser hoje. E nem amanhã. Mas pode ser depois de amanhã. Estamos no ataque final ao Meme perdido, o que significa que em breve, vou receber meu obsceno pagamento. E agora, só tenho o Sr. Johnson para pagar. Obrigado monges não necessariamente tibetanos.

    O Sr. Johnson estava com o passo apressado. Ainda estava sentindo a separação forçada com Judith, a burrinha. Eu o seguia. Mesmo apertando o passo, ainda estava dois metros atrás dele. De repente, ele parou e fixou o olhar para frente. Lá estava: a Clínica Para Enfermos de Los Memes. O final da nossa jornada. Finalmente!

    Nos entreolhamos, sorrimos um para o outro e, juntos, partimos em disparada em direção à Clínica. Uma cena bem gay, eu admito. Mas você não pode nos julgar, seu fascista, barista, taxista! Não passarão!!!

    Chegamos à recepção, onde uma senhora muito, muito velha, e muito, muito feia veio nos atender.

    – Estamos aqui em busca do Me…

    – Pegue uma senha. – disse ela, me interrompendo.

    – Não, a senhora não está entendendo. Viemos pelo…

    – Pegue uma senha, e aguarde. Ali atrás, ó. – e apontou uma maquininha que guardava um rolo de senhas.

    Pegamos uma e fomos nos sentar. Senha nº333.

    – Meio besta. – disse eu, com um sorrizinho sacana no canto da boca. Mas o Sr. Johnson não entendeu a piada.

    Ao longe, ouvimos a atendente gritar:

    – Senha nº 64! Senha 64!!

    – Puta que pariu! – Disse um frustrado Sr. Johnson.

    Bem, não temos mais nada a fazer, a não ser esperar. E foi o que fizemos. Nos ajeitamos o melhor que pudemos naquele banco quebrado, e aguardamos. Esperamos um dia e meio. Estávamos acordando quando ouvimos chamar a senha nº332. Éramos os próximos. Ficamos alertas.

    – Senha nº333! 333? Está aí?

    Nos levantamos e corremos até o balcão.

    – Pois não. Qual são os sintomas.

    – Nenhum. Viemos em busca do memê perdido.

    – Ah, tá. Pra isso não precisava de senha.

    Contive a mão do Sr. Johnson que puxava uma faca da cintura.

    – Os senhores podem seguir esse corredor até o final, virar à direita, à esquerda, depois à esquerda de novo, e finalmente à direita. Vão dar de cara com a sala da administração. Lá vocês perguntam de novo.

    Percorremos o circuito indicado e, como ela tinha dito, encontramos a sala da administração. Entramos e uma outra recepcionista, muito parecida com a da entrada, nos atendeu por detrás de um balcão.

    – Pois não?

    – Viemos pelo Memê perdido.

    – Sim. O quê é que tem ele?

    – Estamos em sua busca. Fomos contratados para resgatá-lo e vamos levá-lo conosco, custe o que custar. Portanto, eu te aviso: não tente nos impedir!

    – Eu? Eu não. Ele está aqui, ó. – e apontou para um monte de papéis desleixadamente empilhados. – Vocês querem que eu tire um xerox?

    – Oi? Não… – disse eu atônito, pois esperava mais resistência. Chacoalhei a cabeça para botar meus pensamentos no lugar e exclamei enérgico:

    – Não quero nenhuma cópia! Preciso do original!

    – Tá bom. Toma aqui. São dois e cinquenta.

    – Hein?

    Estava tão aturdido que nem vi o Sr. Johnson tirar umas moedas do bolso e pagar a moça.

    – Essa foi fácil. – disse ele, enquanto pega um e cinquenta de troco.

    Finalmente! Nossa busca terminou! Minha mao tremia segurando aquele pedaço de papel antigo e envelhecido. Com muito cuidado, olhei para ele e finalmente li o que estava escrito. Era horrível. Não tinha nenhuma graça.

    – Mas é isso?!?! – perguntei pra recepcionista.

    – É. Aqui é uma clínica especializada e viciados em memês. A gente usa esse aí para mostrar o quanto o paciente pode estar passando vergonha nas redes. É muito eficaz.

    – Ah, foda-se! Não precisa ser bom. Só preciso entregar a encomenda e receber meu pagamento.

    Peguei os cinquenta centavos de troco do Sr. Johnson e pus num telefone público. Liguei para o bilionário que me contratou para lhe dar as boas novas.

    – Estou com a sua encomenda.

    – Oi? Quem fala?

    – Estou com o Memê Perdido. Custou a vida de dois homens, a deserção de uma boa mulher, um macaco e 14 burrinhos. Mas consegui! Está aqui nas minhas mãos!

    – Ah, o Memê… Tinha esquecido dele. Sobre isso, temos que conversar. Olha só: nesse meio tempo, fui alvo da Operação Upa Neguinho na Estrada, da Polícia Federal. Eles congelaram todos os meus bens e eu tô sem um tostão pra te pagar. Faz o seguinte: vende esse troço aí e fica com a grana.

    E desligou.

    Filho da puta!

    Senti um tapão na nuca. Era Charles o macaco. Me virei e vi Tereza pendurada no braço do monge pirocudo.

    – Ele só queria estar presente pra rir da sua cara.

    Nunca tinha visto um macaco rir. Esse estava histérico. Quando se cansou, Charles subiu no ombro de Tereza que se foi de volta para o templo. Ela também estava rindo.

    Filha da puta!

    Quando me virei, vi o Sr. Johnson. Ele tinha achado Judtih, a burrinha. Veio em direção a mim.

    – Quer dizer que eu não vou receber?

    E me deu um soco que amoleceu uns três dentes.

    – Isso foi pelo meu irmão!

    Me deixou lá, caído no meio da rua poeirenta enquanto ia em direção a um motel com a Judith.

    Filho da puta!

    Ainda aturdido e deitado na poeira, senti uma rajada de vento e o papel escapar dos meus dedos e desaparecer no deserto.

    Que merda! E eu nem me lembrava mais o que estava escrito. Ah, foda-se! Também não queria…

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/em-busca-do-meme-perdido-20-final/"]

    URGENTE – Piadas com “levar a boca no pau” estão proibidas

     

    Depois de saber que jovens que trabalham para o tráfico no rio de Janeiro estão sem receber há dois meses, o Sindicato dos Humoristas do Brazil, entidade absolutamente anedótica mas sempre muito atuante, emitiu uma Ementa Normativa que proíbe qualquer piada com o seguinte mote:

    Traficantes levam a boca no pau.”

    Variações sobre o mesmo tema também não serão toleradas vão gerar multas e a cassação da Carteirinha de Trocadilhista.

    O sindicato aproveita para lamentar a concorrência desleal da realidade com os humoristas: “Já tem trabalhador passando fome por não conseguir competir. Onde está o governo que não faz nada?”

    Mais informações na sede do sindicato.

    URGENTE – Piadas com “levar a boca no pau” estão proibidas

     

    Depois de saber que jovens que trabalham para o tráfico no rio de Janeiro estão sem receber há dois meses, o Sindicato dos Humoristas do Brazil, entidade absolutamente anedótica mas sempre muito atuante, emitiu uma Ementa Normativa que proíbe qualquer piada com o seguinte mote:

    Traficantes levam a boca no pau.”

    Variações sobre o mesmo tema também não serão toleradas vão gerar multas e a cassação da Carteirinha de Trocadilhista.

    O sindicato aproveita para lamentar a concorrência desleal da realidade com os humoristas: “Já tem trabalhador passando fome por não conseguir competir. Onde está o governo que não faz nada?”

    Mais informações na sede do sindicato.

    [ssba]

    URGENTE – Piadas com “levar a boca no pau” estão proibidas

     

    Depois de saber que jovens que trabalham para o tráfico no rio de Janeiro estão sem receber há dois meses, o Sindicato dos Humoristas do Brazil, entidade absolutamente anedótica mas sempre muito atuante, emitiu uma Ementa Normativa que proíbe qualquer piada com o seguinte mote:

    Traficantes levam a boca no pau.”

    Variações sobre o mesmo tema também não serão toleradas vão gerar multas e a cassação da Carteirinha de Trocadilhista.

    O sindicato aproveita para lamentar a concorrência desleal da realidade com os humoristas: “Já tem trabalhador passando fome por não conseguir competir. Onde está o governo que não faz nada?”

    Mais informações na sede do sindicato.

    [ssba url="http://www.republicadosbananas.com.br/urgente-piadas-com-levar-a-boca-no-pau-estao-proibidas/"]